INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Para 2016, um pedido


Fonte: We Heart It
Cansei de correr. Cansei de me pegar apressando os outros. Rápido, anda logo, vamos nos atrasar. Todo dia a mesma correira louca, o mesmo nervoso com o trânsito, a mesma falta de paciência com quem não se apressa. Cada dia mais perto de uma gastrite, de um colapso nervoso, de um ataque do coração. Cada dia mais longe do tempo que passou, dos pensamentos positivos, da paz de espirito. 

Cansei de ser o tipo de pessoa que anda por ai, com a cara amarrada, correndo pra cima e pra baixo. Que deixa uma fila no banco, um motorista barbeiro (ah, esses motoristas!) ou uma pessoa teimosa estragar um pedacinho do meu dia. Cansei de atropelar o tempo. De atropelar a vida. Quando a pressa aperta, a vida perde a cor, o mundo vira contra você e nada, nada tem graça.  

O fim do ano chega e a gente revê tudo que não deu tempo de fazer, todas as metas que vão ficar para o próximo ano. E a mesma coisa acontece, ano após ano. E aí a gente percebe que passou o ano todo com pressa e não teve tempo pra nada. Pode isso? Volta e analisa. Sabe aqueles minutinhos que nós perdemos resmungando e apressando? E aqueles dias em que tudo deu errado, o mau humor atingiu nível máximo e nós não quisemos saber de nada? Ahh, e não esqueça do tempo que nós perdemos cuidando da gastrite! Pois bem, se tivéssemos usado esse tempo de uma maneira mais proveitosa, poderíamos, com toda certeza, riscar algumas metas da lista desse ano. 

Com isso em mente, chegar uns minutinhos atrasada no compromisso, esperar a pessoa decidir para que lado ela vira enquanto o farol está aberto ou escutar uma música enquanto a fila não anda se tornam opções bem mais atraentes do que se entrar no stress automático. A vida muda, um pouquinho de cada vez, e o vício da pressa vai se perdendo. 

Então, para 2016, um pedido: não se apresse. 

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Unboxing Amigo Secreto


Heey pessoal! Quem aí lembra do amigo secreto que nosso grupo de blogueiras do whatsapp realizou ano passado? Pois é, agora já virou tradição e esse ano fizemos de novo. E com mais emoção! Combinamos de gravar um unboxing quando o presente chegasse, assim poderíamos conferir a reação de cada uma.  




E gente, fiquei toda boba com o presente. Passei o dia inteiro esperando para poder gravar, fiquei afobada e o resultado vocês podem conferir ai no vídeo. Acho que mereço um joínha só pelo esforço de esperar o dia inteiro para abrir a caixa, né? haha


Gente, e essa Nutella? Fiquei tãao feliz com ela, vocês não tem noção! ♥


Tudo muito maravilhoso, né? Anna, muuito obrigada pelo esforço de encontrar presentes tão legais e pelo carinho. Amei tudo, de verdade! ♥


E se você quiser saber quem eu tirei, é só clicar aqui!! :D

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Tag: Complete a frase...


Heey pessoal! A Nanda do Trocando o Disco me indicou para responder a tag Complete a frase... e cá estou eu. Achei a tag super divertida, principalmente com os gifs que a Nanda colocou para ilustrar. Gostei tanto que vou usar sua ideia, tá Nanda? haha Espero que vocês gostem das respostas!

Sou... indecisa! Ou será que não?

Não suporto... gente que só vê o lado ruim das coisas. Para de mimimi e vai ser feliz!

Eu nunca... viajei de avião.

Eu já briguei... com meu irmão que é treze anos mais novo que eu. Ainda brigo. Com muita frequência. haha

Quando criança... adoravaaa brincar de cabana. 

Neste exato momento... eu estou morrendo de sono.

Eu morro de medo de... cobra. É mais que medo, é pavor. Passo mal só de ver na TV! Sem gifs dessa parte. Eu realmente não gosto de olhar pra elas! D:

Eu sempre gostei de... ler! Sempre, desde que era bem pequenininha. Consigo ler em qualquer lugar, com ou sem gente por perto, em qualquer posição.

Se eu pudesse... faria um tour gastronômico pelo mundo inteiro. Experimentaria as principais comidas de cada região.

Fico feliz quando... estou com as pessoas queridas.

Se eu pudesse voltar no tempo... visitaria alguma civilização antiga.

Adoro... comer!

Quero muito viajar... para New York  ♥

Eu preciso... de dias mais longos. Ou de muita organização na minha vida. Haha #tátenso

Não gosto de ver... filmes de terror. 

Se identificou com alguma resposta? Me conta nos comentários :D. E se você gostou da tag, responda também!! 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

A Playlist de Hayden


Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente. Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava. A PLAYLIST DE HAYDEN é uma história inquietante sobre perda, raiva, superação e bullying. Acima de tudo, sobre encontrar esperança quando essa parte parece ser a mais difícil.

Sam e Hayden são inseparáveis. Vieram de famílias bem diferentes e foram unidos pela paixão pelo mundo geek. Além de melhores amigos, eles são seus únicos amigos. Até a noite da festa. A noite da briga. Aquela, na qual tudo mudou

Com a briga da noite anterior ainda fresca na memória, Sam resolve ir à casa do amigo se desculpar. Sabe que Hayden está chateado e já prevê que a conversa não vai ser fácil. No entanto, Sam não imaginou que a conversa jamais aconteceria. Hayden havia desistido da vida na noite anterior. Deixou para trás um bilhete, algumas músicas e um melhor amigo extremamente triste e confuso. 

Depois de passar pelo funeral, Sam percebe que seu melhor amigo mantinha alguns segredos. Dividido entre a raiva que sente por Hayden tê-lo abandonado e a culpa por não ter percebido nenhum sinal que pudesse impedir o suicídio, Sam passa os dias escutando repetidamente a playlist que Hayden deixou e tentando desesperadamente entender o que aconteceu com o amigo. 
“Que ideia mais idiota comprar uma coisa que me faria pensar em Hayden toda vez que eu olhasse para ela. Eu não conseguia parar de pensar nele desde que o encontrei. Não conseguia tirar da cabeça a imagem dele ali deitado, desacordado debaixo de todos aqueles lençóis estúpidos do Star Wars.” Página 37 
A Playlist de Hayden é um livro que aborda bullying e suicídio de uma maneira delicada. Você sabe qual é o foco da Falkoff, mas em momento nenhum a história fica muito densa. Ela conseguiu transmitir o recado para o público jovem de uma maneira atrativa.  

A autora também mostra como é difícil para quem fica. Os sentimentos variam entre culpa gigantesca por não ter feito o que estava ao alcance, por não ter tentado impedir os episódios de bullying e raiva incontrolável pela fraqueza e pelo egoísmo do outro ao cometido suicídio.

O livro também conta com uma pitada de mistério. Os meninos que praticavam bullying contra o Hayden começam a passar por várias situações embaraçosas e Sam é logo apontado como o autor desses “atentados”. Mas, ele não poderia ter feito tudo isso, né? Afinal, ele não se lembra de nada!

A Playlist de Hayden é uma ótima leitura. O final é totalmente coerente com a proposta do livro e foge do óbvio. Michelle Falkoff consegue cumprir sua proposta e ainda nos mostra como pequenas atitudes podem realmente mudar o rumo da vida de alguém. 
“Se havia alguma coisa que eu aprendera com a playlist, é que ouvir as pessoas pode ser importante. Gosto de pensar que estou ficando melhor nisso.” Página 283
*Esse livro foi cedido para resenha pela Editora Novo Conceito.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Dezembro ♥

Passo mais tempo ouvindo do que falando. Observo o mundo ao meu redor com calma. Por fora, tudo parece normal. Mas, por dentro, meus pensamentos fervilham. A cabeça não para nunca, nem quando deveria relaxar. A ansiedade me consome. Problemas pequenos são analisados de tantas formas diferentes que parecem gigantes. A vida, que antes parecia passar tão devagar, se mostra em um ritmo frenético e, olhe só, as festas de fim de ano já começaram a dar as caras. A frustração aparece e os planos não realizados imploram por atenção. Em um momento de descuido o caos se instaura e parece que nada mais vai dar certo. 

Aí você se lembra de que o cérebro adora pregar peças. Não é você que ama dezembro? Para e respira. Aí você percebe que os planos só estão te lembrando de que eles ainda existem. O caminho é longo, mas vale a pena. Os problemas pequenos voltam a ser apenas isso: pequenos. E você percebe que não adianta nada carregar certos fardos. Perdoe-se e permita-se. Reveja suas prioridades, ajuste o foco e viva. O resto simplesmente acontece. 

Tirinha: Carolina Carmo

Hoje é segunda-feira. Dia de ter um ótimo começo de semana. ;)