INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Proteja-me


Quatro meses após a morte do marido, Janie LaMarche continua tomada pela dor e pela raiva. Seu luto é interrompido, no entanto, pela chegada inesperada de um construtor com um contrato em mãos para a obra de uma varanda em sua casa. Surpresa, Janie descobre que a varanda era para ser um presente de seu marido — tornando-se, agora, seu último agrado para ela.
Conforme Janie permite, relutantemente, que a construção comece, ela se apega aos assuntos paralelos à sua tristeza: cuidando de seus dois filhos de forma violentamente protetora, ignorando amigos e família e se afundando em um sentimento de ira do qual não consegue se livrar. Mesmo assim, o isolamento autoimposto de Janie é quebrado por um grupo de intervenções inconvenientes: sua tia faladeira e possessiva, sua vizinha mandona, seu primo fofinho e até Tug, o empreiteiro.
Quando a varanda vai tomando forma, Janie descobre que o território desconhecido do futuro fica melhor com a ajuda dos outros. Até daqueles com os quais menos esperamos contar.


Após perder seu marido de forma trágica e totalmente inesperada, Janie não consegue ver perspectiva em sua vida. É tão injusto não ter mais seu amado marido, seu ponto de apoio, o ótimo pai dos seus filhos... Janie realmente não consegue pensar no futuro. Ela divide seu tempo entre cumprir as obrigações básicas de mãe e se revoltar com todos a sua volta.

Acredito que só quem passou por uma situação parecida sabe a dimensão dos sentimentos da personagem, mas, a autora conseguiu mostrar com maestria tudo o que Janie estava sentindo, toda a carga que veio junto com a tragédia. Isso me fez refletir bastante e foi impossível não sentir empatia pela personagem.

A pessoa que mais se fez presente na vida de Janie é Tia Jude, uma senhora com um ótimo coração e muita sabedoria. É ela quem praticamente obriga Janie a receber semanalmente a visita do padre Jake. É a partir daí que a superação começa. 

Padre Jake sugere que, no final de cada dia, Janie escreva um pequeno milagre que aconteceu. Achei a ideia bem interessante e comecei a prestar mais a atenção nesses pequenos acontecimentos diários, que deixam meu dia mais feliz. É um exercício simples, mas que sempre me anima.

Dylan e Carly, os filhos de Janie, são encantadores. Eles enriqueceram muito a história. A autora mostra como as crianças tem um jeito peculiar de enfrentar a morte. Dylan é um garotinho lindo e extremamente sensível, que, mesmo sem entender, é responsável por ajudar a mãe a superar essa fase. Carly é uma neném decidia, independente e super inteligente. 
"- Eu pensei... ele sempre estava aqui antes. Eu sei que ele está no céu e ele não pode voltar, como você disse. Mas a gente sempre punha os óculos juntos e ia nadar junto. E pareceu que talvez ele fosse estar aqui... mesmo se ele não pode." Página 302
 Os outros personagens são super bem construídos.  O empreiteiro Tug, que aparece sem ser convidado para construir uma varanda que Janie nem sabe se quer e acaba se tornando uma figura de grande destaque.  Sua amiga Shelly que, apesar de não estar sempre presente, é muito importante para Janie. E Comac, o primo de Janie que é praticamente um irmão.

Por fim, o livro é ótimo. A autora conseguiu transformar acontecimentos triviais em uma história totalmente envolvente. É um livro emocionante, mas também conta com várias partes engraçadas. A leitura me fez refletir, mas não me deixou com aquele peso no coração. As emoções provocadas foram muito bem distribuídas. O único ponto negativo é a capa. Não me chamou a atenção e achei pouco condizente com a história, afinal a personagem tem 2 filhos. Recomendo a leitura!

"Todos sentimos saudades. Eu sinto saudades de meus pais, que descansem em paz. Sinto saudade do meu casamento quando ele era bom. Você não tem de parar de sentir saudades. Você simplesmente tem de aceitar que as saudades aceitar que as saudades não significam que você tenha de descartar a felicidade." Página 407
 *Este livro foi uma cortesia da Editora Novo Conceito. 

9 comentários:

  1. O livro parece ser bom, mas não sei se eu leria...

    ResponderExcluir
  2. Nunca li mas parece ser ótimo mesmo! Adorei o post.
    www.espacegirl.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, gostei do que vc escreveu sobre o livro...bem interessante o história dele...

    Beijinhos no coração.

    Marli Carmen
    Blog:http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/
    Livro: Amazônia- Um Caminho para o Sonho.

    ResponderExcluir
  4. Não imaginei que a estória fosse linda assim.. Até comecei a me interessar em ler esse livro agora. :D

    Beijos!
    www.desejoliterario.com

    ResponderExcluir
  5. O livro parece ser bom.
    Mas não faz muito o meu tipo. Embora a sua resenha tenha ficado muito boa. Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá! o/
    Estou aqui para divulgar o 1º Sorteio do blog Café com Leituras!
    Confira as regras lá no blog.
    Participe e boa sorte! Beijos!
    Café com Leituras!
    http://cafecomleiturasneriana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Não estava com tanta vontade de ler este livro, confesso.
    Mas após sua resenha minha vontade aumentou.
    Beijos

    cocacolaecupcake.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Quero muito ler esse livro.
    Seu blog é ótimo, seguindo, claro!
    Beijos
    http://www.verbosdiversos.com/

    ResponderExcluir
  9. parece ser muito bom *-* http://vivendoentreaspas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir