INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

terça-feira, 9 de julho de 2013

O Eterno Barnes


Doutor Barnes, um famoso neurocirurgião, começa a desenvolver na Universidade onde trabalha uma pesquisa científica tentando transformar os dados do cérebro em arquivos de dados, codificando-os de modo que possam ser copiados. Com o avanço da pesquisa, acaba conseguindo copiar para o computador todos os dados de memória que formam o ser humano, como suas experiências, suas emoções, suas recordações, enfim, sua vida. Deslumbrado com a descoberta, começa a perceber que estes arquivos possuem uma estrutura totalmente diferente e uma sinfonia divina, e começa a ficar obcecado pela ideia de que seja possível copiar cérebros de um paciente para outro. Ao contrário do que deveria ocorrer, Barnes, cada vez mais, esconde suas pesquisas, pois seu objetivo passa a ser implantar seu próprio cérebro em outro paciente, mais jovem e sadio, pois está acometido de uma séria doença. Busca, desta forma, alcançar a tão almejada eternidade. Para isto, não mede as consequências de seus atos, que passam a ser justificados pela ambição que lhe domina. Conseguirá Barnes o seu intento?

Quando o autor entrou em contato comigo para apresentar o livro fiquei super curiosa para ler e já imaginei como seria o final. Durante a leitura, acabei percebendo que estava totalmente enganada. O final é surpreendente e deixa abertura para um próximo livro.

Doutor Barnes é um brilhante neurocirurgião que começa a desenvolver uma pesquisa que possibilita traduzir os arquivos do cérebro humano em arquivos de dados, ou seja, se ele conseguir provar sua teoria todas as suas memórias, os seus sentimentos e os seus pensamentos poderão ser copiados para um pen drive. Assustador, né?

Barnes é vítima de uma grave doença, que está debilitando seu corpo a cada dia. A chance de ter seu cérebro implantado em um novo corpo, mais jovem e sadio, é quase um milagre. Ao perceber a magnitude de sua descoberta e todos os procedimentos necessários para conseguir testar sua pesquisa, Barnes decide manter seus estudos em segredo. Nenhum médico entenderia que para ter a chance de continuar vivo, ele precisou quebrar alguns códigos de ética e cometer alguns atos absurdos. Afinal, era a vida dele que estava em jogo. 

“Buscava a eternidade e cada vez mais encontrava os meios de conseguir encontrá-la. Era um alquimista e iria em busca de sua pedra filosofal. Ergueu a cabeça. Tinha muito para descobrir.” Página 29

Após um grande avanço na área digital, Barnes resolve dispensar James, o estudante de informática que contratou. O rapaz, que até então não tinha percebido nada de anormal, resolve pesquisar sobre os arquivos que decodificou para o médico. Ao perceber que estava diante do que poderia ser um grande avanço para a ciência, James confronta Barnes para expor sua descoberta. É a partir daí que o plano de Barnes começa a se tornar cada vez mais complicado e arriscado.

Com medo da conversa que teve com Barnes, James confia todas as informações que descobriu a sua namorada. Ela, por sua vez, vê nas informações confidenciais uma maneira de conseguir ser promovida. 
Enquanto isso, Barnes tenta convencer Lourdes, uma amiga médica, a ajudá-lo a implantar seu cérebro em um jovem paciente do hospital, procedimento impossível de ser executado por apenas uma pessoa. A corrida de Barnes contra o tempo interliga todas essas pessoas que, direta ou indiretamente, passam a fazer parte do desfecho do grande plano do Eterno Barnes. Será que terá sucesso?

A temática do livro é bem interessante. Sempre achei que colocar o cérebro de uma pessoa no corpo da outra era coisa de filme de ficção científica. Porém, o autor abordou o tema de maneira totalmente plausível, com termos científicos e explicações compreensíveis. Ao terminar de ler, a idéia já não parece tão distante. Recomendo para quem procura um livro que foge dos temas comuns e conta com suspense, ação e muitas surpresas.   

 “Aqui o criador se transformaria na criatura e a criatura seria seu próprio criador, fundindo-se na sempre presente dicotomia vida-morte. Mas não era por amor, como pregava João. A criatura seria apenas um invólucro para seu criador, algo a ser usado e descartado.” Página 62
*Este livro foi uma cortesia do autor.

5 comentários:

  1. Jesus, que livro psicótico, assustador, maluco, revolucionário *-* AMEI, preciso ler hahaha'
    Menina, eu sempre pensei em como seria bom, transferir nossas lembranças, pensamentos para um pen drive *-* imagina que tudo.

    Fiquei mega curiosa com relação a história, parabéns pela resenha.

    Beijos,
    paixaoliteraria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A temática é bem bacana, né Kéziah?? *--*
      Acho que você vai gostar do livro!!
      Obrigada :)

      Beijoos!

      Excluir
  2. Oi Gabi, tudo bem?
    Conheço esse livro só de vista, mas realmente parece ser muito bom.
    Espero poder lê-lo algum dia!
    Beijos,
    alanahomrich.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adoro finais surpreendentes e livros que superam as expectativas. Você me convenceu, lerei esse livro. Só não sei quando...

    Beijokas, flor!
    Blog da Mylloka

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse superou mesmo Mylla! Quando você ler, me conta o que achou! :)

      Beijão!

      Excluir