INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Eu me chamo Antônio

A Editora Intrínseca e o Pedro Gabriel (autor de Eu me chamo Antônio) estão fazendo uma ação super bacana com os blogs parceiros. Recebemos um desenho começado e temos que terminar mostrando como seria o mundo do Antônio na nossa visão. Gostei tanto de participar, que resolvi contar para vocês por aqui e compartilhar algumas das frases que mais gosto.


Um pedacinho do meu desenho...


Alguém aí já leu os livros do autor?

* Imagens: Página Eu me chamo Antônio.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

As Famosas Receitas do Ana Maria Brogui

Skoob
Quem acompanha o blog sabe que eu adoro me aventurar na cozinha. Sendo assim, fiquei super feliz quando vi que a Editora Sextante iria lançar um livro de culinária. Confesso que eu ainda não tinha assistido nenhum vídeo do Brogui, mas já conhecia de nome.

Quando o livro chegou, corri para ver quais receitas foram selecionadas e gente, tem muita coisa! São 101 receitas e todas incluem fotos. Além de conter os ingredientes e o modo de preparo escritos, cada receita conta com um QR CODE, que facilita muuuito quando você estiver cozinhando. Começou a fazer a receita e surgiu alguma dúvida? É só pegar o celular! Não precisa perder tempo ligando o computador ou procurando a receita no youtube. Bacana, né?


O livro começa com o Caio contanto um pouquinho de como começou seu gosto pela culinária e como surgiu a ideia de criar um canal. É um texto que ocupa pouco mais de duas páginas, mas que é bem emocionante e motivador. O canal começou sendo uma espécie de diário, onde o Caio queria gravar as receitas para se lembrar da mãe.

Outro ponto positivo é que logo no início estão especificadas algumas medidas de ingredientes. Eu sou péssima com essas medidas, então achei bem proveitoso.


Quanto as receitas, você encontra de tudo. Tem desde cerveja amanteigada (!!!), passando por Macarons e até camarão recheado com queijo. Eu testei uma receita de pão de queijo que não vai ovo (Gente, eu não gosto de ovo, então tudo que é receita que dispensa ovo me chama a atenção), e absurdo como a receita é fácil de fazer e fica deliciosa. Agora nesse final de ano pretendo testar ainda mais receitas e volto aqui para contar pra vocês.

Se vale a pena comprar? Com certeza! É um livro completo, que tem receitas doces e salgadas. Tem receitas rápidas, para fazer quando bate aquela fome e tem outras um pouquinho mais elaboradas, para aqueles momentos especiais. Super recomendo!


* Este livro foi uma cortesia da Editora Sextante.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Amigo secreto entre blogueiras


Volteeei! Eu sei que o blog tá um pouco abandonado, mas é por conta da correria de final de ano, ok? Acredito que a partir de agora vou conseguir atualizar com mais frequência. E o post de hoje é especial! Estou em um grupo de blogueiras lá no whatsapp e fui convidada para participar de um amigo secreto. Adorei a ideia e fiquei super empolgada para participar. 

Finalmente quase todos (falta um!) os presentes chegaram e nós já podemos revelar o que ganhamos e quem nos tirou.


E siiiim, eu criei coragem e gravei um vídeo para mostrar certinho tudo que veio. Fiquei tão empolgada com tudo que chegou, que não podia deixar sem registro. E geente, por favor, é o primeiro vídeo que gravo e falei um milhão de vezes a palavra fofo, então não me julguem, ok? haha


Já li Delírio e Eleanor&Park e em breve terá resenha de ambos aqui no blog! ;)


Além dos livros, vieram muuuitos mimos incríveis! Nanda, muuuito obrigada pelo carinho, gostei de maaais de tudo. ♥


Beeijo e ótimo final de semana!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

The Following

Sinopse - Box 1ª temporada
Heey pessoal! Quem me conhece sabe que morro de medo de tudo que é de terror e só assisto filmes que dão medo durante o dia #alouca. Maaas, como namorado tem poder de nos convencer, eis que topei assistir o primeiro capítulo da série The Following e gente, não dá pra parar! Haha

Joe Carroll é um serial killer apaixonado pela obra de Edgar Alan Poe. Ele acredita que a morte eleva a vida e sai por aí matando mulheres com base na obra de Poe. Como se não bastasse, ele lidera um culto onde váaarias pessoas, que são fãs de Poe e fãs do próprio Joe, seguem suas ordens em busca de um sentido para a vida. E todos, é claro, adoram matar.


Ryan Hardy é o agente que conseguiu pegar Joe Carroll. Ele está atualmente aposentado, mas é recrutado pelo FBI para ser consultor quando Joe resolve fugir da cadeia. Ryan tem um temperamento difícil e tem como objetivo salvar vidas, mesmo que isso signifique quebrar as regras impostas pelo FBI. Ele se sente culpado pela morte de algumas das vítimas do caso Joe.

Dentre os personagens secundários, destacam-se Mike Weston, um jovem agente que virou quase um parceiro de Hardy, Claire Matthews, ex-mulher de Joe, Emma Hill, seguidora fiel de Joe e babá do seu filho e Jacob Wells, seguidor de Joe que carrega um grande segredo.


O que chamou minha atenção na série foi justamente o fato de citar constantemente as obras de Poe. É um diferencial super bacana. Outro fato interessante, é que a série explora muito o psicológico dos personagens. Flashbacks mostram um pouquinho dos traumas pelos quais os personagens passaram e nos ajudam a entender qual foi o resultado disso na vida de cada um. E ainda tem o sonho de Joe de escrever um livro. Ele tenta manipular todos a sua volta, para que ajam como os personagens do livro que ele imaginou.

Mas não se engane, nem a se apegue muito aos personagens: É uma série sobre morte, então tem sim muito sangue e você nunca sabe quem vai morrer. Se você gosta do gênero e está em busca de uma série nova, eu recomendo. Já está na segunda temporada e a terceira foi confirmada para o ano que vem.


Vocês já conheciam a série?

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Promoção: Aniversário blogs amigos!

Heey pessoal! Que tal começar a sexta feira com promoção? 
Os blogs Coração de Tinta, Livros, a Janela da Imaginação e Meu Mundinho Fictício estão fazendo aniversário e, para comemorar, se uniram com blogs amigos para presentear vocês, leitores, com vários kits incríveis! Leia as regras atentamente e participe!

Regras
- Ter endereço de entrega no Brasil;
- Perfis Fakes ou criados apenas para promoções serão desclassificados;
- Início 05/12/2014, término 15/01/2015. O resultado será anunciado quando apurado as regras e o sorteado será avisado via e-mail pelas organizadoras. O e-mail deve ser respondido no prazo de 72hs com todos os dados corretos para o envio, caso o prazo expire o sorteado será desclassificado e o sorteio refeito;
- Deixem seu nome e e-mail válido nos comentários do post do sorteio e escrevam participando! (Obrigatório)
- O livro será enviado pelos Blogs participantes, no prazo máximo de 40 dias;
- Não nos responsabilizamos por problemas de atraso após o envio, extravio dos correios, avarias no transporte via correio e endereço informado errado pelo sorteado para entrega do livro.


a Rafflecopter giveaway

a Rafflecopter giveaway

a Rafflecopter giveaway
a Rafflecopter giveaway

a Rafflecopter giveaway


a Rafflecopter giveaway

Você não vai ficar de fora dessa, né? Boa sorte! :)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Diário de Classe - A Verdade


Aos 13 anos, Isadora Faber, uma estudante de escola pública de Florianópolis (SC), indignada com os problemas de ensino e infraestrutura de seu colégio resolveu criar uma página no Facebook, o Diário de Classe, para denunciá-los. Chamou a atenção da imprensa nacional e internacional, mobilizou milhares de seguidores e conseguiu as mudanças que reivindicou. Sua jornada, no entanto, foi árdua: sofreu críticas, ameaças, represálias, agressões e processos. Porém, não desistiu, e hoje tem mais de 625 mil seguidores, inspirou a criação de mais de cem Diários de Classe, já participou de inúmeras palestras e eventos, ganhou prêmios e fundou a ONG Isadora Faber, com a qual continua seu trabalho por uma educação pública de qualidade no Brasil. Mais que um relato de coragem e do poder do webativismo, este livro é um retrato perturbador da situação da educação e dos serviços públicos brasileiros, que grita por cidadania e por transformações urgentes.
É impossível terminar de ler Diário de Classe – A Verdade sem ficar sedento por mudanças na educação e no Brasil. Eu sempre tive vontade de fazer alguma coisa pelo próximo e, como a maioria das pessoas, acabei deixando para depois. Para quando eu for independente, para quando eu tiver dinheiro sobrando, para quando der. Se você, assim como eu, está esperando o momento certo chegar, saiba que esse momento não existe. E o Diário de Classe prova isso.

Isadora tinha 13 anos quando se cansou das injustiças. Inspirada por uma garota escocesa que criou um blog para denunciar a péssima qualidade da merenda escolar, Isadora conversou com os pais e resolveu criar uma página no facebook para divulgar e denunciar o descaso com a escola e com os alunos.

Ela só não imaginava que depois de pouco tempo a página iria começar a repercutir de forma gigantesca. Do dia para a noite apareceram repórteres e jornalistas interessados na história da escola, querendo entender o porquê das denuncias e ajudando a divulgar para o mundo inteiro a página da menina.

É interessante e um pouco assustador ver como isso modificou a atitude das pessoas envolvidas na escola. Desde o começo da página, Isadora era repreendida por um ou outro, mas nenhuma melhoria era feita. Quando o assunto ganhou destaque na imprensa, algumas melhorias começaram a aparecer, mas as represálias ficaram muito, muito piores. Chegaram a jogar pedras (PEDRAS!) na casa da garota. 

E, para deixar a situação ainda mais surreal, a maioria dos alunos estava CONTRA a Isadora. Gente, a garota está reivindicando melhorias que vão ser aproveitadas por toda a comunidade escolar e as pessoas se opõem a isso. Não tem sentido. Alguns alunos, que apoiavam em segredo o Diário de Classe, não se manifestavam na escola por medo. Pode isso?  
“A palavra-chave de tudo aquilo para mim era força. E eu não parei.” Página 60
Eu até entendo, de verdade, a atitude das pessoas (tanto dos responsáveis pela escola, quanto dos alunos) em um primeiro momento. Não é fácil mudar, sair do comodismo e fazer todas as coisas de maneira correta. Porém, quando há incentivo e as mudanças tem condições de acontecer, é preciso deixar o medo e o comodismo de lado e mudar. É confortável ficar em um emprego ou em uma escola que não cobra nada, nem do funcionário, nem do aluno. Não ter metas para cumprir, passar de ano direto e “tapar o sol com a peneira” são práticas comuns em muitas escolas do país. Isadora mostrou que, se todo mundo fizesse a sua parte, cumprisse seus horários e trabalhasse com vontade, preservasse e desse valor ao patrimônio público e estudasse visando uma vida melhor, o Brasil poderia sim ter uma educação de qualidade

Vale ressaltar que a diagramação do livro está super dinâmica. Foram incluídos prints e fotos da trajetória de Isadora, assim como trechos das postagens da página. Conforme os capítulos vão passando, vamos sendo informados do aumento no número de curtidas. 

Isadora também nos conta como foi participar de programas de televisão e palestrar para centenas de pessoas. Ela também explica um pouquinho do processo de criação da sua ONG, que, entre outras atividades, realiza projetos educacionais.

Por fim, a maior lição que tirei de Diário de Classe - A Verdade é que quando algo não vai bem, não podemos simplesmente nos conformar e repetir o velho jargão “isso nunca vai mudar”. Muda sim! Depende de mim, de você, de todos nós. Se metade das pessoas que presenciam injustiça, corrupção, descaso e negligência denunciassem e cobrassem os seus direitos, a mudança seria significativa. Porque, como mostrou Isadora, recursos e empresas interessadas em ajudar não faltam.  
“Para as pessoas que têm vontade de mudar, de melhorar as coisas, de evoluir, de criar novas condições, de formar uma geração transformadora, inovadora, ligada no futuro, que acreditam que uma educação melhor faz um país melhor, meu total apoio.” Página 245

domingo, 30 de novembro de 2014

DIY Árvore de revista


Heey pessoal, hoje é dia de DIY! O canal Manual do Mundo instigou (ainda mais) a curiosidade do meu irmão e o deixou super inspirado para fazer experiências. Todo dia ele faz alguma coisa diferente e fica todo orgulhoso. E no meio de tanta experiências, ele fez uma árvore de revista, para ajudar a enfeitar a casa no natal. Eu achei o resultado tão bacana, que resolvi fazer um DIY para compartilhar aqui no blog. E ele gostou taanto da ideia que, além das fotos, acabamos fazendo um pequeno vídeo. 


Você vai precisar de: 
- 1 revista velha;
- Um pouquinho de paciência.


Depois é só enfeitar! :)

Uma foto publicada por @gabrielaamoroso em

E aí, gostaram do DIY? É uma opção baratinha para enfeitar escritórios e escrivaninhas. :)

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Para onde ela foi



Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos não em milhas, não em continentes, não em anos , e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado. Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa da esperança e a chama do amor que renasce.
*Essa resenha contém spoilers do livro Se eu ficar.

Quem leu a resenha de Se eu ficar (aqui!) sabe que eu AMEI o livro. E, apesar de estar mega curiosa para ler Para onde ela foi, eu não sabia ao certo o que esperar. Não sabia qual rumo a Gayle iria tomar e nem como eu iria encontrar os personagens. Acho que foi justamente por isso que fiquei tão surpresa quando encontrei uma leitura ainda melhor. Melhor do que eu esperava e melhor do que o primeiro livro. 

Três anos depois do acidente, as coisas estão bem diferentes na vida de Adam. Sua banda finalmente decolou e ele se tornou um músico famoso, daqueles que atraem revistas de fofoca e fãs desesperadas. Quem vê de fora, acredita que a vida de Adam é perfeita. O que nenhuma revista sabe é que ele está cada vez mais desequilibrado e com o psicológico extremamente abalado. 

Mia agora mora em Nova York e está começando uma carreira de sucesso como violoncelista. Ela e Adam não se falam desde que ela entrou para a faculdade e pasme: a decisão foi dela. Mia parou de atender ao telefone, não respondeu mais e-mails e nem deu sinal de vida. Ela o  deixou para trás e não se deu o trabalho de explicar o motivo. 

O resultado disso é um Adam abalado, que está a um passo de detonar tudo. Apesar de ter canalizado sua dor e transformado em música, ele não sabe mais como lidar com essa situação. E é quando ele menos espera, em sua última noite antes de sair em turnê, que seu mundo vira (de novo) de cabeça para baixo e ele encontra Mia. 
“Havia sinais. Provavelmente mais deles do que eu já captei, talvez até depois do ocorrido. Mas perdi todos. Talvez porque eu não estivesse procurando por isso. Estava ocupado demais olhando sobre o meu ombro para o fogo para prestar atenção no abismo que estava à minha frente.” Página 95
Dessa vez, a narração é feita em primeira pessoa pelo Adam, mas também conta com flashbacks. A sua dor é tão palpável na narração, que tudo fica ainda mais realista. Imagine passar por uma trauma desses, negligenciar a sua vida para ajudar a namorada e depois ela te descartar sem mais nem menos.

Tanto Adam como Mia estão mais maduros nesse livro. E, diferente do que muita gente imaginou, Gayle não facilitou as coisas para o casal. Não é um livro sem graça, onde eles se encontram, tudo se encaixa de primeira e volta ao normal.  É, novamente, um livro vida real, onde cada um tem sua cota de mágoas. Ambos estão perdidos e querem respostas. Ou pelo menos, um encerramento.

O único ponto que não gostei do livro foi a capa. Sou a favor de capas que seguem o mesmo padrão para histórias que se complementam.  Fora isso, o livro é incrível. Gayle consegue dar um final totalmente condizente com a história. Ela mostra como algumas fases de nossa vida precisam de um encerramento, para dar espaço a novas fases e recomeços. Recomendo muito
“E, de repente, é como se eu tivesse usado fones de ouvido a noite toda e eles tivessem caído, e tudo o que estava abafado agora está claro.” Página 193
 *Este livro foi cedido para resenha pela Editora Novo Conceito. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

#ComoFala

Já falei aqui que adoro os projetos criativos que encontro na internet. Essa semana conheci (através do facebook do Catraca Livre) o tumblr Como Fala, do Gustavo Asth. Pensando na dificuldade que grande parte das pessoas têm em pronunciar corretamente o nome de algumas marcas, ele criou cartazes utilizando a mesma tipografia da marca, mas escrevendo como o nome deve ser pronunciado. O resultado é super bacana e, em alguns casos, chega a causar uma certa estranheza, de tão diferente que a escrita fica.

WhatsApp
Jack Daniels
Black Friday
Volkswagen
Heinz
Sephora
AC/DC
Wi-Fi
Subway
Gostou? Então confira o projeto completo aqui!

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Tag: Meus livros, ninguém sai!


Heey pessoal! A Liah, do blog Confissões de um leitor, me indicou para responder a tag "Meus livros, ninguém sai". Eu adoooro tags, porque é sempre uma desculpa para mexer na estante e relembrar minhas leituras. E essa tag em especial é muuuito divertida, porque foi criada a partir do vídeo de humor "Meus óculos! Ninguém sai". Se você não conhece o vídeo, assiste aí, porque é rapidinho e a tag vai fazer mais sentido!


Bora começar?

1.“Ei coisinha, vá devagar”: Sabe aquele livro que você devorou rapidamente? Qual foi ele?
Sabe quando você lê desesperadamente, só pensa na história, não quer que ela termine, mas não quer parar de ler? Então, foi assim com Fangirl. Devorei e devoraria de novo!


2. “Eu vou me segurar aqui”: Qual livro te prendeu?
Difícil essa, porque muitos me prendem. Acabei escolhendo O segredo do meu marido porque foi uma leitura marcante. Gostei muito da história, e lembro que cheguei em determinada parte e não conseguia parar de ler. Recomendo.


3. “Se eu cair eu quebro a minha clavícula”: Qual obra te desestabilizou emocionalmente?
Escolhi Um Dia porque gente, eu me apaixonei pelos personagens, sofri junto com eles, torci por eles e aí acontece o que aconteceu. Não conseguia acreditar, não conseguia esquecer. Foi um livro que mexeu bastante comigo.


4. “MEU ÓCULOS, ninguém sai!”: Qual livro você não empresta ou tem muito ciúmes?
Eu sempre fui muito ciumenta com meus livros. Tinha medo de emprestar e a pessoa não devolver ou estragar. Aconteceram as duas coisas durante o caminho, mas, contrariando as expectativas, hoje eu tenho um pouquinho menos de medo de emprestar. Acho que aprendi pra quem eu posso ou não emprestar. haha
Agora, dentre todos que tenho, acho que não me sentiria tão confortável emprestando os que têm dedicatória ou autógrafo. Por exemplo, Harry Potter e a Ordem da Fênix eu NÃO empresto. Lembro exatamente do dia que ganhei esse livro, do quanto eu estava DOIDA para ler e a felicidade que senti. Sem contar essa dedicatória fofa dos meus pais (♥) e o estado que o livro se encontra. Já reli tanto que tenho medo da capa sair.


5. “Juliana você viu meu óculos?”: Qual livro você emprestou e nunca mais viu na vida? 
O caso dos dez negrinhos nunca voltou pra casa. Já me conformei e agora quero comprar uma edição mais nova, com uma capa bacana e reler. 


6. “Juliana tá DES-MAI-ADA!!!”: Qual livro te deixou com ressaca literária, sem poder ler outros livros? 
Dificilmente minhas ressacas literárias duram muito, então não sabia qual livro colocar. Escolhi Garota Exemplar porque foi um livro tão genial, que é meio difícil não ficar de ressaca depois da leitura. Gillian Flynn entra na sua mente e é difícil fazê-la sair.


 7. “Shamuchamochamu chama o SAMU!”: Que livro te deixou louco pela continuação?
Ahh Jogos Vorazes. Sorte que quando eu li já tinha a continuação me esperando, se não teria que ter chamado o Samu meeesmo! haha Estou adorando essas séries de distopias, o gênero está com tudo. Outro que me deixou doida pela continuação (tanto que comecei a ler no mesmo dia que terminei o primeiro) foi Starters


8. “Eu errei, viu?”: Escreva aqui um pouco sobre aquele livro que você achou se seria uma coisa e é outra!
Eu errei quando criei inúmeras expectativas para ler O Substituto. Não é uma história empolgante, não me apaixonei pelos personagens, não convenceu. O autor começou com um personagem fracassado e terminou da mesma maneira. Não vi evolução, sabe? 


Liah, obrigaaaada pela indicação! Adorei responder a tag, viu? Me diverti muito! ♥

E vocês, gostaram da tag? Quem quiser fazer, fica a vontade e depois me manda o link que quero ver! Tem alguma outra tag que vocês gostariam de ver por aqui?


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Dica da Semana: How do you know

Sinopse
Sábado à noite, namorado dormindo e o meu sono na lua. Resolvi procurar uma comédia romântica no netflix e acabei escolhendo How do you know (Como você sabe), porque gosto do trabalho dos atores. Terminei o filme com um sorriso no rosto, achei fofo, gostoso de assistir. Ainda não sabia se iria fazer resenha aqui no blog ou não. Eis que hoje fui marcar o filme no filmow e vi a média geral de avaliação: 2.6. Confesso que tomei um baita susto. Tudo bem o filme não valer um 5, mas 2.6? Não entendi. Curiosa, fui conferir os comentários. A maioria dizia que o filme tem um orçamento exagerado, é chato, longo e não acrescenta em nada. Outros reclamavam do filme por ele ser clichê.

Ok. Não acho que orçamento de filme é motivo para gostar ou desgostar da obra, mas, se você acha, tudo bem. Também não entendo qual o problema de um filme ser longo. É a mesma coisa de você vir reclamar que um livro tem muitas páginas. Concordo que a obra não pode ficar maçante, mas, nesse caso, eu sinceramente nem vi o tempo passar. O filme é reflexivo, mostra as escolhas e problemas que passamos diariamente. Mas também é divertido e conta com passagens encantadoras.

Outra coisa que não me engana mais é essa mania de falar que “ai, é ruim porque é clichê”. Já deu. O mundo é clichê, a sua vida é clichê, então não vem reclamar de um filme só por ele ser clichê. Não sabe do que reclamar, então bota a culpa no clichê. Mas antes, pensa um pouquinho. O clichê é bom? Foi bem explorado? Então ótimo, não tem motivo para não apreciar. E, só para esclarecer, nesse caso foi bem explorado sim. Você começa a assistir ao filme e sabe que a protagonista vai ter que escolher entre dois caras. O que você não sabe é que não existe um cara ruim e um cara bom. Os dois são bons, com defeitos insuportáveis e qualidades admiráveis, mas bons. Os dois são fofos. E os dois são apaixonados. Como faz para escolher nesse caso? Acompanha o filme. E é aí que acontecem idas e vindas e reviravoltas. Assim como na vida real. Tá ai o motivo de o filme ser comprido. Diferente do que vocês pensam, revoltados sem causa, a personagem não começa namorando o cara mal, conhece o cara bom, se apaixona e fim. Nem tudo acontece com essa rapidez que vocês estão acostumados a ver. A vida não é feita apenas de cenas engraçadas e bons momentos. As pessoas se decepcionam, ficam confusas, perdidas. E é isso que o filme mostra. Então, por favor, não me venha falar que How do you know é parado, clichê e não acrescenta em nada. Arrume argumentos.

A impressão que fiquei é que já que existiam várias críticas, outras pessoas resolveram criticar também, só para mostrar que estavam comentando, sabe? Dentre uma enxurrada de criticas, os argumentos pertinentes eram poucos. 

Não estou querendo mudar a opinião de ninguém, nem obrigar você a gostar do filme como eu gostei. Só vim fazer um desabafo. Dizer que tá tudo bem pensar diferente de todo mundo. Tô com preguiça desse povo que só critica por criticar, que só usa a internet para causar discórdia e espalhar mau humor. Desliga a internet e vai ser feliz.

P.S.: Essa é a MINHA opinião, ok? Não tem problema se a sua opinião for diferente.☺E, se você já assistiu ao filme, me conta nos comentários o que achou. Beijo!