INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

segunda-feira, 31 de março de 2014

Dica da Semana: Rio 2


Blu (Jesse Eisenberg) vive feliz no Rio de Janeiro ao lado da companheira Jade (Anne Hathaway) e seus três filhotes, Carla (Rachel Crow), Bia (Amandla Stenberg) e Tiago (Pierce Gagnon). Seus donos, Linda (Leslie Mann) e Túlio (Rodrigo Santoro), estão agora na floresta amazônica, fazendo novas pesquisas. Por acaso eles encontram a pena de uma ararinha azul, o que pode significar que Blu e sua família não sejam os últimos da espécie. Após vê-los em uma reportagem na TV, Jade insiste para que eles partam para a Amazônia. Blu inicialmente reluta, mas acaba aceitando a ideia. Assim, toda a família parte em uma viagem pelo interior do Brasil rumo à floresta amazônica sem imaginar que, logo ao chegar, encontrarão um velho inimigo: Nigel (Jemaine Clement).

Essa semana estreou o filme Rio 2, dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha. Gostei muito do primeiro filme e estava curiosa para conferir o segundo. E posso falar? Ri muito!

Em Rio 2, Blu e Jade tiveram três filhotes (Carla, Bia e Tiago) e vivem em uma reserva, protegidos de todos os perigos e com regalias domésticas como panquecas e televisão.  Apesar de Jade desaprovar viver como um animal de estimação, Blu e seus filhotes adoram a mordomia.

Já Tulio e Linda estão na Amazônia a trabalho e acabam descobrindo que podem existir mais ararinhas azuis. Ao ver a notícia na TV, Jade convence Blu a embarcar em uma viagem até a Amazônia para ajudar o casal a encontrar as ararinhas e de quebra mostrar para seus filhos como os pássaros vivem no mundo real, sem precisar de tecnologia humana.

Sabendo das escassas habilidades de Blu no mundo animal, Nico, Pedro e Rafael decidem acompanhar o amigo na viagem. O grupo passa por diversas cidades do Brasil, mostrando claramente a grande distância existente entre o Rio e a Amazônia. Achei bem interessante e dinâmico o modo como o trajeto foi mostrado, alternando a animação em si com ilustrações parecidas com as de um mapa. 

Chegando à Amazônia, eles encontram muito mais do que esperavam. Novos personagens são apresentados e Blu é forçado a tomar uma difícil decisão.

O filme levanta questões como o desmatamento, lealdade e vingança. Vi muitos comentários falando que o filme não focou nem se aprofundou em nenhuma questão e que o roteiro é fraco. Concordo que os temas foram tratados de forma leve, mas não acho que isso prejudicou o filme. Ele consegue passar sua mensagem e ser extremamente divertido.

O carnaval ainda está presente no filme, mas dessa vez de uma forma mais velada. Nico, Pedro e Rafael começam uma busca de novos talentos dentro da floresta, com o intuito de montar um enredo para o carnaval do Rio e o resultado é incrível. As apresentações dos animais são um ponto alto do filme.

Enfim, a fotografia do filme está incrível, os cenários são maravilhosos e trilha sonora muito bem feita. Vale muito apena assistir. 


Trailer:

sexta-feira, 28 de março de 2014

Como falar com um viúvo


Doug Parker não foi um aluno brilhante, não conseguiu entrar para nenhuma universidade de prestígio e era demitido dos empregos de redator com relativa frequência. Enfim, não levava nada muito a sério até conhecer Hailey, bonita, inteligente e cerca de 10 anos mais velha que ele. Quando os dois se casam, Doug deixa para trás a descompromissada vida de solteiro e se dedica a esse amor, acreditando finalmente ter encontrado seu rumo. Mas, dois anos depois, Hailey morre em um acidente de avião e tudo perde o sentido. Tentando lidar com o luto, Doug passa a escrever uma coluna chamada "Como falar com um viúvo", em que desabafa sua dor, relata a dificuldade de expressar seus sentimentos e se lembra da esposa de maneira sincera e cativante. A coluna se torna um grande sucesso - algo com que ele sempre sonhou - só que, infelizmente, no momento errado. Em meio a seu drama, Doug se vê às voltas com o enteado rebelde e a irmã gêmea que se mudou para sua casa decidida a fazê-lo voltar a se relacionar com outras mulheres. E então nada mais é como antes: sua vida passa a se desenrolar em uma divertida sucessão de encontros desventurados e insólitas confusões familiares. Entre tropeços, atropelos e as mais loucas situações, Doug começa a tocar sua vida, ainda que não saiba muito bem para onde. Afinal, muitas vezes o melhor a fazer é seguir em frente. 
Como falar com um viúvo foi uma surpresa deliciosa. Vi o livro em promoção, li alguns comentários positivos e comprei. O processo todo durou menos de 15 minutos e o livro saiu por menos de R$7,00 (com o frete). Confesso que comecei a leitura com certo receio, temendo dar de cara com um protagonista super deprimido. E foi isso que aconteceu. Mas, diferente do que eu imaginava, Doug é o deprimido sarcástico. E a leitura, que tinha tudo para ser melancólica, acabou sendo divertida e sensível.  

Antes dos 30, Doug já tinha se casado com uma mulher bem mais velha, virado padrasto de um adolescente e ficado viúvo. Dá pra pirar a cabeça de qualquer um, né? 

Agora, um ano depois da morte de sua esposa, todos a sua volta acreditam que o prazo de validade do luto já venceu e que Doug precisa retomar sua vida. Mas ele não está pronto. Doug acredita que a cada passo que ele der em direção a uma nova vida, vai ser um passo para longe da Hailey. Ele acredita que quanto mais conseguir seguir em frente, mais distantes as lembranças dela vão ficar e quando isso acontecer, antes que ele perceba, sua rotina vai se tornar alegre, outras pessoas vão entrar em sua vida e sua esposa morta não vai ser mais do um acontecimento triste do passado.

Como se não bastasse, a coluna “Como falar com um viúvo”, que Doug começou a escrever como uma forma de tentar lidar com seus sentimentos, ganha destaque e lhe trás excelente reconhecimento profissional. A sua irmã mais nova, que conheceu o namorado no velório da Hailey, está prestes a se casar. E a companhia aérea vai pagar uma generosa indenização pela morte de Hailey. Em vista desse futuro promissor, o único pensamento presente na mente de Doug é: Se minha mulher não tivesse morrido, nada disso estaria acontecendo. Sendo assim, ele desaprova praticamente tudo que tem alguma ligação com a morte dela.

Sua vida só começa a mudar quando Claire, sua irmã gêmea, resolve se mudar para sua casa e tomar as rédeas da situação. Doug passou o último ano fechado para todas as oportunidades e situações. O que Claire propõe é que Doug passe a falar sim para tudo que surgir. Começando pelo enteado, que está passando por uma fase rebelde e não tem ninguém que realmente se importe com ele. Quando Doug, aos poucos, vai se abrindo para novas possibilidades, ele passa a enxergar sua vida por outra perspectiva e percebe que ele não é o único que tem problemas. A dor é companhia de muita gente.
“Se precisasse de um transplante de rim ou de fígado, eu seria sua melhor opção, porque por dentro somos iguais. Estou apenas aplicando o mesmo princípio. Vou lhe doar um pedaço do meu coração para que você use até o seu voltar a bater.” Página 102

Como eu disse lá em cima, por mais que possa parecer, o livro não é deprimente. A partir do momento em que Doug aceita tentar, diversas situações divertidas acontecem. Encontros mal sucedidos, uma bela briga com o ex-marido de sua mulher morta, uma despedida de solteiro tenebrosa e uma disputa velada com os coelhinhos do quintal são só alguns acontecimentos que permeiam o retorno de Doug para sua vida. 

Os personagens presentes na história são incríveis. Claire é mandona, divertida e adora falar palavrões. Russ é o enteado e apesar de se meter em encrencas é um bom garoto, com um coração enorme. O pai de Doug teve um AVC e tem poucos momentos de lucidez, mas é totalmente fofo. Já a mãe de Doug é uma ex-atriz famosa, que vive a base de remédios e vinho para enfrentar os desafios da vida. 

O livro é narrado pelo próprio Doug e gira em torno do seu recomeço. Mostra o modo como ele enfrenta as situações corriqueiras. É um livro inteligente e sarcástico que, salvo uma grande surpresa nos capítulos finais, não conta com grandes acontecimentos, mas encanta exatamente por isso. Um livro baseado em fatos cotidianos, sem nenhum segredo mirabolante, mas que conquista o leitor por sua franqueza e simplicidade. Super recomendo. 
 "- Você sabe o que é? – me desafia Russ.
- Um espermatozóide em chamas?
- Vá se foder.
- Um meteoro.
- É um cometa – explica ele.
- Qual a diferença?
- Como é que eu vou saber?
- Certo. É um cometa.
Ele acaricia a tatuagem como quem protege algo.
- É o cometa Hailey.
As lágrima me enchem tão rápido os olhos que não tenho como contê-las.
- Sei que o nome verdadeiro não se escreve assim – diz Russ, repentinamente acanhado. – Mas eu gostei da imagem, sabe? O Cometa Hailey. E ela vivia na minha cola por causa dos meus erros de ortografia. De certa forma, faz sentido."  Página 29

quarta-feira, 26 de março de 2014

Culinária no youtube

Sempre gostei de culinária. Quando criança vivia inventando bolos e sobremesas que, nem sempre, davam certo. Com o passar do tempo, a vontade de aprender a cozinhar ficou adormecida e só reapareceu há alguns meses, com o término da faculdade e, consequentemente, aumento de tempo livre. 

Pouco tempo depois de eu começar minhas aventuras culinárias, a Lu Ferreira e Gui Poulain deram início ao projeto O Chef e a Chata, onde o Gui ensina receitas e truques culinários para a Lu. Achei a ideia incrível e passei a acompanhar todos os vídeos, que são curtinhos (menos de 10 minutos) e têm sempre receitas maravilhosas. Já aprendi várias dicas e tenho uma listinha de receitas que pretendo fazer em breve. 
Vale a pena conferir.


Outro canal que conheci recentemente foi o Cozinha Bossa e Malagueta. A Dani é uma fofa, o cenário é lindo e as receitas que assisti são super simples de fazer. Sem contar que a edição dos vídeos é um show a parte. 


E vocês, gostam de cozinhar? Me indiquem mais canais. :)

 

terça-feira, 25 de março de 2014

Lançamentos de março: Novo Século

Hey pessoal! Março já está acabando, mas ainda dá tempo de conferir alguns lançamentos da Editora Novo Século, né? Fiquei bem curiosa para ler "Nós somos Anonymous" e achei a capa incrível. "Real" e "Insensatez" também me chamaram a atenção. 

Eles acreditavam que toda informação deveria ser livre, e eram capazes de invadir seu site se você discordasse disso. Combatiam o sistema e toda forma de governo imposta. Alegavam que não se tratava apenas de um grupo organizado, mas sim de pessoas dispostas a “tudo ou nada”. A descrição mais próxima seria uma “marca”, um “símbolo”, um “coletivo”. Suas poucas regras eram como aquelas do Clube da Luta: não fale sobre o Anonymous, não revele sua verdadeira identidade e não ataque a mídia. Naturalmente, o anonimato dava a eles a liberdade de cometer certos delitos, como invadir servidores privados, roubar dados secretos de uma empresa, derrubar um site e depois devolvê-lo, completamente desfigurado. Algumas destas ações poderiam, inclusive, ser consideradas crimes, condenando-os à prisão por dez anos ou mais. Mas os Anonymous não pareciam se importar. Eles enxergavam força e proteção em números. Postavam seus agourentos slogans em blogs, sites invadidos e em todo lugar possível: Somos os Anonymous. Somos a Legião. Não perdoamos. Não esquecemos.

Remington Tate tem a reputação de ser um bad boy, dentro e fora dos ringues. É conhecido também pelo corpo escultural e pelo poder, sexy e selvagem, que emana de cada gota de suor, levando toda e qualquer mulher que o veja a um verdadeiro frenesi. Em seus olhos, brilha um desejo brutal, devastador e REAL. Brooke, uma especialista em fisioterapia esportiva, é contratada para manter aquele corpo funcionando como uma máquina mortal. Esse parecia ser seu emprego dos sonhos, mas, ao circular pelo perigoso circuito de lutas clandestinas com Tate e sua equipe, Brooke passa a ser dominada por um novo sentimento, um fogo e uma necessidade com os quais ela não sabe lidar. O que começa com um simples flerte pode virar uma obsessão sexual incontrolável. Terríveis segredos serão revelados, e Brooke deverá lutar para manter-se sã, discernindo o que há de real e o que é pura ilusão em seus próprios sentimentos.

Neferet está agora mais poderosa do que nunca, e sua busca por vingança ameaça as vidas não apenas de Zoey e seus aliados, mas de toda a humanidade. O caos impera em Tulsa, e todos passam a culpar a Morada da Noite por isso. Poderá Zoey impedir os planos terríveis de Neferet a tempo, antes que seu ódio possa desencadear uma guerra de consequências devastadoras? A série House of Night é um dos maiores fenômenos do mercado editorial, tendo alcançado a primeira posição na lista dos mais vendidos em países como Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido, mantendo-se na lista de best-sellers do The New York Times por cerca de 150 semanas consecutivas. Agora, no penúltimo capítulo dessa aclamada série, a ação é ainda mais eletrizante, e os riscos são ainda maiores na batalha de Zoey e de seus amigos para proteger sua escola – e seu lar – da destruição. Ao mesmo tempo, os cativantes personagens criados por P. C. e Kristin Cast têm de lidar com seus sentimentos, com o jogo de amizades e traições e com o dia a dia entre as paredes da Morada da Noite.

Tudo bem, não há nada de errado em se dedicar a seu trabalho, a sua família, a seu futuro. A questão é: você está focado no que é realmente importante? Você dedica, hoje, a maior parte de seu tempo a alguma coisa, uma ÚNICA Coisa, que sintetize seus sonhos, seus desejos, suas aspirações? Os resultados que você obtém são diretamente influenciados pelas escolhas que faz. Alcance resultados extraordinários em todas as áreas de sua vida. Acabe com a desordem de sua rotina, siga e mantenha-se firme em direção a sua meta. Torne-se um mestre no que realmente importa para você. Focando em sua ÚNICA Coisa, é possível alcançar mais, fazendo menos. Qual é a sua ÚNICA Coisa?



Alma despida foi desenvolvido a partir de várias confissões feitas de pessoas que sofriam dores de amor, que padeciam de paixão, consumidos pela ilusão de encontrar em alguém a felicidade. Alimentados pela ânsia de viver um grande amor, seres que transcenderam quando tiveram de romper com uma realidade na procura de uma nova situação, sendo delas extirpadas seus mais nobres sentimentos. Assim nasceu esta cativante antologia poética, uma reunião dos mais nobres e contraditórios sentimentos extraídos dessas experiências.



 Patrícia Gomes era uma jornalista em busca do furo de reportagem que alavancaria sua carreira. Linda e destemida, vivia em uma cidade do interior dominada pelo tráfico de drogas e desafiava seu editor a romper o silêncio que cercava as atividades criminosas. A chegada do novo chefão de uma facção rival acirrou o conflito entre os bandidos e colocou a cidade em pé de guerra. Era a oportunidade que ela precisava para fazer a matéria que revelaria os detalhes sobre o crime organizado e a projetaria em sua profissão. O que ela não contava era ser capturada por Marco, o italiano que estava à frente da batalha. Implacável, taciturno, misterioso, indecifrável… Aquele homem representava tudo o que ela mais abominava. No entanto, emanava poder e sensualidade, e Patrícia viu-se entregue a seu magnetismo. Um inimigo, que lhe instigava sentimentos contraditórios e a levaria à beira da insensatez.

Neste segundo livro da série A Lenda dos Cristais, as sete ruivas se reúnem novamente na aldeia dos Dracheroter, já que uma delas, Meredith, acredita que o temível Cien está de volta. Contudo, desta vez, elas precisarão de um plano infalível, e é com esse mesmo objetivo que o povo de Dracheroter e seu novo protetor, Dean, procuram reunir mais seis bruxos para um ritual a fim de acabar de uma vez por todas com a ameaça do mago das trevas. Cien, por sua vez, planeja vencer a qualquer custo esta batalha, buscando auxílio de seus aliados e o poder de um misterioso anel. Além disso, ele pode ter um grande trunfo em mãos por unir-se a uma poderosa e enigmática bruxa.





Analisar os sistemas estelares pode ser bem arriscado. Dezoito de Escorpião, identificada como uma estrela gêmea do nosso Sol, é uma descoberta astronômica sem precedentes. Contudo, tal revelação põe em risco o maior segredo da Terra: Muhipu, uma comunidade secreta no coração da selva, protegida por tribos indígenas ancestrais, guardando experiências para além do conhecimento comum: a tentativa de contato com superinteligências cósmicas. Oscilando no tempo, de 1929 a 2070, o leitor é apresentado a fatos científicos reais, reconstruídos ficcionalmente. Neste impressionante romance, o autor Alexey Dodsworth se vale de seu largo conhecimento em Astronomia e Filosofia para compor um intrigante drama que explora a antiga pergunta: “estamos sós no universo?”.



Gostaram dos lançamentos?

sexta-feira, 21 de março de 2014

Fênix: a ilha



Sem telefone. Sem sms. Sem e-mail. Sem TV. Sem internet. Sem saída. Bem-vindo a Fênix: A Ilha. Na teoria, ela é um campo de treinamento para adolescentes problemáticos. Porém, os segredos da ilha e sua floresta são tão vastos quanto mortais. Carl Freeman sempre defendeu os excluídos e sempre enfrentou, com boa vontade, os valentões. Mas o que acontece quando você é o excluído e o poder está com aqueles que são perversos?



Fênix, a ilha é uma instituição terminal. É pra lá que são mandados os adolescentes “caso perdido” e lá é sua última chance de entrar na linha, através de um severo treinamento militar. Quem seguir o treinamento a risca é liberado ao completar 18 anos, sem ficha na policia. Certo? Errado.

Carl tem 16 anos e é campeão de boxe. Depois da morte de seus pais ele rodou o país sendo enviado a diversas famílias adotivas. Seu maior defeito? Ele não consegue ver uma pessoa sendo injustiçada e sempre entra em brigas para defender desconhecidos. A mais recente, que ocasionou sua ida a Fênix, foi quando ele nocauteou metade de um time de futebol que estava se divertindo à custa de um garotinho. 

Considerando os fatos, Carl decidiu encarar sua ida para a Ilha como uma chance de mudar de vida. Ele iria aprender a controlar seu temperamento e parar de entrar em brigas e quando voltasse a viver em sociedade, ele seria uma pessoa livre e sem ficha criminal. Pela primeira vez, um futuro promissor parecia estar esperando por ele.

Ao chegar à ilha, ele percebeu que talvez as coisas pudessem ser um pouco diferentes do que ele tinha imaginado.  Os guardas demonstravam prazer em ver os adolescentes sofrendo e, mesmo sem querer, Carl acabou chamando a atenção do pior sargento.  Ganhou o apelido de Hollywood, por pensar como um indivíduo e achar que tinha algum direito. Para complicar ainda mais sua situação, recebeu o cargo de Livreiro, que o deixava de fora das rondas noturnas, mas vinha com a responsabilidade de designar tarefas para os outros adolescentes. Ou seja, passou a ser odiado pela maior parte dos colegas. 

Sua suspeita de que alguma coisa está errada é confirmada quando ele encontra um diário escondido na sala do livreiro. O diário descreve exatamente o tratamento que o grupo está recebendo e com o passar das páginas, a situação fica cada vez mais cruel. Quando ele termina ~ pela terceira vez ~ de ler o diário percebe que as coisas ruins estão só começando. 
“Podem me bater por trás e me espancar enquanto estou inconsciente e me trancar nesta jaula, mas não podem determinar quem eu sou.” Página 137
No início a narrativa é um pouco confusa, com alguns parágrafos narrados em terceira pessoa e logo em seguida em primeira pessoa. Apesar disso, o suspense faz a leitura fluir com velocidade. As inúmeras cenas de ação, que contam com descrições detalhadas das lutas, também contribuem para dar ritmo a leitura.

Dentre os personagens, vale destacar Octavia e Ross, os únicos amigos de Carl. Ross utiliza o humor como mecanismo de defesa e não perde uma piada. Já Octavia carrega profundas cicatrizes. É uma garota corajosa e determinada. Stark aparece lá pela metade do livro e também merece atenção. Um líder nato, que sabe como coagir as pessoas. 

Depois que Stark aparece a vida de Carl muda drasticamente e o ritmo da leitura desacelera por um tempo. É como se Carl estivesse anestesiado e isso refletisse na narrativa. Quando Carl percebe que passou a vida inteira lutando pela causa errada, o ritmo do livro acelera novamente e as cenas cheias de ação e suspense voltam a aparecer. 

Enfim, eu não tinha criado expectativa nenhuma e acabei gostando do livro. Ele consegue prender a atenção e deixa aquela vontade de ler o próximo volume. A capa é bem bacana e a folha que inicia cada capítulo é decorada com árvores.  Ahh, e a série Intelligence foi baseada nesse livro. Fiquei curiosa e pretendo assistir em breve. Se eu gostar, venho contar pra vocês. :]
“Precisava cumprir a promessa feita ao pai.
Precisava deixar de lutar com os valentões e começar a ajudar as vítimas.
Devia defender, não destruir.” Página 266
*Este livro foi uma cortesia da Editora Novo Conceito.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Nina Pandolfo


Nina Pandolfo é uma artista brasileira, que se destaca por seus grafites coloridos e delicados. Assisti a um pedacinho de uma entrevista dela ontem e ela disse que adora detalhes, por isso prefere pincéis finos, que possibilitam seus traços. As figuras femininas estão sempre presentes em sua arte e os olhos dos seus personagens são bem característicos. Impossível não se encantar.

Nina estava entre os artistas brasileiros que grafitaram o Castelo  Kelburn.
As obras são lindas, né? E pra quem se interessou, a Nina lançou um livro liiindo contando um pouquinho da sua trajetória. Eu quero pra ontem! *-*


Gostaram das obras dela? 

Fonte das imagens: Google

terça-feira, 18 de março de 2014

Dica da Semana: A menina que roubava livros



Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger (Sophie Nélisse) sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo (Geoffrey Rush), ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu (Ben Schnetzer) que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe (Emily Watson) e brinca com a amigo Rudy (Nico Liersch).

Já faz uns 6 ou 7 anos que li “A menina que roubava livros” e nunca esqueci a história. Os personagens são tão marcantes e a narrativa é tão bem construída, que lembro com facilidade de passagens inteiras e, principalmente, dos sentimentos que o livro provocou. Sendo assim, fiquei muito feliz quando finalmente assisti ao filme e vi que ele correspondeu as minhas expectativas.

O filme é ambientado na Alemanhã Nazista e mostra o sofrimento e a opressão vividos pelas pessoas. No meio de todo esse caos, a Morte nos apresenta Liesel, a menina que roubava livros. Obrigada a morar com pais adotivos, Liesel é uma criança doce e ao mesmo tempo rebelde. Com o pai adotivo, ela aprende a ler e a ser humana com as pessoas.

Quando a família dá abrigo a Max, um judeu fugitivo, Liesel ganha um grande amigo. Ele vive escondido no porão e Liesel é responsável por fazê-lo manter a sanidade, através de conversas e descrições do tempo. Mas, devido às condições precárias, Max adoece e Liesel fica desesperada. Tentando mantê-lo vivo, ela passa a roubar livros para ler em voz alta no porão.

Não quero falar muito para não estragar a surpresa de quem vai assistir. Posso adiantar que além de Max, Liesel se torna amiga de Rudy, seu vizinho. Juntos, os dois enfrentam provações e, escondidos, desafiam Hitler. 

Os personagens secundários são incríveis. Geoffrey Rush ficou perfeito no papel de pai da Liesel, do jeito que sempre imaginei. Emily Watson conseguiu ser a mãe severa, preocupada e prática, mas ao mesmo tempo com uma certa doçura quando necessário. Confesso que a princípio achei Nico Liersch muito pequeno para ser o Rudy, não foi como eu imaginava. Mas no decorrer do filme acabei me afeiçoando a ele. 

Uma das cenas que eu mais gostei foi a de Rudy se pintando de preto. O garoto é apaixonado por corridas e quer parecer ainda mais com seu ídolo, que é negro. A inocência de uma criança alemã tentando ser negra em pleno governo nazista é encantadora.

Vi alguns comentários negativos sobre o filme, mas, sinceramente, eu adorei. Quando descobri que a morte era narrada por uma voz masculina, não gostei. Lendo o livro sempre imaginei a voz de uma mulher. Porém, no contexto, achei que ficou bacana. Depois de assistir, fiquei com a mesma sensação de tristeza que tive ao terminar de ler o livro e acho que é esse o papel de uma adaptação, né? Tocar o espectador assim como o livro tocou o leitor. Recomendo. 


Trailer:

segunda-feira, 17 de março de 2014

Novo layout + Sorteio

Heey queridos!!
O blog tá de cara nova! Já pode comemorar! Uhul! \o/
Eu quis manter o layout minimalista, mas já estava cansada da imagem anterior, sem contar que a ilustração não era exclusiva. Pensando nisso, fiz uma ilustração baseada em uma foto minha. Depois de definir a imagem, repensei em alguns pontos da programação para o blog ficar mais agradável. Por isso que o projeto demorou um pouquinho.

Eu fiquei bem feliz com o resultado e espero que vocês também tenham gostado. E para comemorar o novo layout, resolvi sortear um exemplar do livro Bruxos e Bruxas. Você não vai ficar de fora dessa, né?

Para participar, as regrinhas de sempre:
- Seguir o blog pelo GFC;
- Ser residente no Brasil;
- Preencher o formulário abaixo.

a Rafflecopter giveaway


Observações:
• A promoção é válida até o dia 18/04/2014.
• O ganhador terá até 3 dias para enviar seus dados para entrega do prêmio. Após esse prazo, o sorteio será refeito.
• Quando receber o prêmio, o ganhador deverá enviar uma foto.

Me contem o que acharam do layout e boa sorte no sorteio! Beijo!

sexta-feira, 14 de março de 2014

Deixe a Inglaterra tremer


Embalado pelo ritmo frenético das letras das canções de rock alternativo que antecipam cada passagem do livro, “Deixe a Inglaterra Tremer” é o retrato de como Londres se tornou um polo multicultural nos últimos anos. Nosso narrador constrói e desconstrói diversos estereótipos culturais ao longo dos quatro meses em que esteve lá. Demonstra o processo de adaptação do jovem amargo que era quando chegou à cidade, nos levando à experiência do amadurecimento pessoal que somente a vida numa cidade repleta de possibilidades pode proporcionar. O contato com estrangeiros de todas as partes do mundo, o intercâmbio cultural – nem sempre amigável e bem-sucedido –, as amizades nascidas do sentimento em comum de se estar “sozinho no meio da multidão”, as reflexões acerca da própria vida diante de realidades tão diferentes à primeira vista. Tudo isso transforma o livro numa explosão quase tão multifacetada quanto a própria vida na antiga Londres do novo século.
Você já sonhou em fazer intercambio? Já? Então você precisa ler esse livro. Nunca pensou? Então vai pensar quando terminar a leitura. 

Em Deixe a Inglaterra Tremer, o autor Sávio Lopes conta como foi sua experiência ao morar por quatro meses em Londres. É bacana acompanhar o seu amadurecimento e como seu olhar mudou ao longo do tempo que passou na cidade. 

Ao chegar a Londres, ele não conhecia ninguém. Tinha apenas o endereço de seu novo lar e a certeza de que teria que frequentar as aulas todos os dias para manter seu visto. Os ingleses que encontrou até conseguir chegar em casa foram hostis e mal educados. E chovia. Pode-se dizer que não foi a recepção mais calorosa que a cidade lhe proporcionou, mas sua estadia na Inglaterra estava só começando. 

E começou mal. No iníco, a falta de amigos e uma certa amargura por parte dele o fizeram passar a maior parte do tempo livre sozinho. Depois de um tempo, ele conheceu gente nova, lugares novos e até comidas novas. Mas, o mais importante foi a nova atitude que ele passou a ter. Percebendo que as pessoas te tratam do jeito que você se vê, ele passou a se impor mais. Com a auto estima renovada e um grupo eclético de amigos, ele conseguiu se encontrar em Londres. 
“Não adianta ansiarmo por uma época que já passou ou repudiar as diferentes etnias que aqui existem. Eu vim de fora, assim como vocês, e assim o país muda e se renova. Deixe a Inglaterra tremer, mudar e se tornar cada vez mais um país singular.” Página 202
O livro nos mostra um pouco da Londres que muitos desconhecem. O foco não está nos pontos turísticos, mas sim nas características e no comportamento dos moradores.  Está na cidade que abriga a todos, independente de sua origem ou cultura. Nos pubs e nas ruas residenciais. O foco está na Londres de verdade

É bacana ver as diferenças entre costumes, como: tomar leite com chá, não comemorar a véspera de Natal, festejar o St. Patrick`s Day. Coisas que nós, brasileiros, não estamos acostumados. Outro ponto interessante é o contato com pessoas de diferentes nacionalidades. Pessoas de diversos lugares do mundo frequentavam as aulas e enriqueceram ainda mais a experiência de morar em outro país.
  
Por fim, vale ressaltar que no início de cada capítulo tem um trecho de música. Achei bem bacana, pois a música reflete os sentimentos em dado momento. Confesso que o livro é um pouco diferente do que tenho lido ultimamente. Gosto de histórias assim, que são reais e mostram as coisas por um ângulo diferente, a beleza das coisas simples. Sem contar que minha vontade de ir a Londres aumentou consideravelmente.  Super recomendo, sem ressalvas. Acho que é um livro indicado para todo tipo de leitor
"Ser indiferente à irritação alheia e à minha própria se tornou desde então um dos meus objetivos de vida. Queria ser mais como o taxista de nome impronunciável. Sua indiferença chegava a ser divertida." Página 207 
*Este livro foi uma cortesia do autor.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Lançamentos de Março: Editora Gente e Única

Heey pessoal! Tudo bom com vocês?
Eu sei que os posts de lançamentos acabam com as promessas de Não comprar nenhum livro no próximo mês. haha Mas é muito gostoso saber o que vai ser lançado e escolher nossos queridinhos, né? Confesso que Uma vez na vida já entrou para minha listinha de desejados. E gente, vocês viram que vai ser lançado o livro Need for Speed? Eu adoraaaava esse jogo! *-* Joguei muito nas tardes depois da escola. 

Uma história de amor, encontros e.... desencontros!
Conheça Tess. Obcecada por roupas vintage, ela está sempre enrolada no emprego que detesta e em dúvida sobre seu namorado bonitão Dominic, que conheceu na universidade. Morando em um adorável apartamento com sua melhor amiga, Kirsty, ela poderia se considerar uma pessoa de sorte. Mas se sua vida é tão perfeita, por que ela se desfaz em lágrimas toda vez que pensa no futuro?
Conheça George. Um músico brilhante que divide seu tempo entre brigar com os companheiros de sua banda de jazz e se preocupar com o pai doente. Mas ele sabe que a vida não é só isso. Deve haver mais alguma coisa. Algo especial.
Tess e George são duas partes de um todo, almas gêmeas. Para a sorte deles, seus amigos em comum sabem que eles são feitos um para o outro. O problema é que eles não se conhecem e, sempre que a oportunidade aparece, a vida chacoalha os dois para longe.
E agora? Se todos têm uma alma gêmea, como o destino faz para uni-los?
Acompanhe a história divertida e apaixonante de Tess e George durante uma década de encontros malsucedidos, frustrações românticas e uma dúzia de recomeços. Uma vez na vida é uma comédia romântica moderna e inteligente sobre amizade, destino e oportunidades perdidas e reconquistadas!


Você já sentiu que tudo parece conspirar contra seus esforços? Quantas vezes você já teve vontade de viver uma grande mudança em sua vida?
Nossa rotina é repleta dos mais variados problemas: trabalhar com uma equipe descomprometida ou um chefe que não oferece apoio, lidar com familiares que cobram mais tempo e dedicação...
Como nasce o líder é uma narrativa fascinante que mostra, por meio de uma fábula surpreendente, como nossa mente esconde as emboscadas que nos colocam dentro de “caixas”. Prisões que nós mesmos criamos e que nos impedem de ver as oportunidades que surgem e, para piorar, criam um ciclo de justificativas, que culpam os outros pelo que acontece de ruim no nosso dia a dia.
A história de Tom nos mostra como é possível romper com ciclos improdutivos e perceber como e por que o sucesso só depende de nós. O livro ajuda a entender como navegar pelas diversas responsabilidades que cabem ao líder: desde a fase de seleção e contratação de candidatos, liderança e formação de equipes, resolução de conflitos, transformação na responsabilização até crescimento e desenvolvimento pessoal.


O sucesso dos games agora em livro e nos cinemas!
Tobey Marshall é uma lenda no mundo das corridas de rua. Agora que ele está aposentado, seu único desejo é tocar a oficina do pai junto com os amigos e membros do seu ex-time de corrida. Mas um último desafio feito por um velho parceiro acaba levando um de seus amigos à morte e Tobey para a cadeia, acusado de um crime que não cometeu.
Três anos depois, Tobey é solto. Entretanto, está completamente sem opções. Sua equipe se dispersou e a oficina não existe mais. A única esperança para Tobey surge em uma proposta tentadora, uma corrida incrível que contará com pilotos de todo o país em um desafio lendário em ruas públicas até a Califórnia. Suas chances são boas, mas um velho inimigo está determinado a derrotá-lo.
Perseguições em alta velocidade, descrições perfeitas dos carros tunados e exóticos, emoções perigosas e uma aventura surpreendente. As páginas deste livro elevarão a adrenalina do leitor.

Verdade e amor são lados de uma mesma moeda e, embora sejam as únicas coisas pelas quais valha a pena viver, ambos são muito difíceis de colocar em prática.
Mahatma Gandhi
Uma das figuras mais influentes do século XX, Mahatma Gandhi foi um líder revolucionário não apenas na política, mas também na filosofia e na religião. Foi pela força de sua devoção a Deus que ele recebeu o título de Mahatma, que significa Grande Alma, e continua a ser reconhecido por milhões de pessoas como um grande conhecedor da alma humana. Este livro explora as profundas reflexões de Gandhi sobre tudo aquilo que é mais importante em nossas vidas: a verdade, o amor, a fé e a prática do bem. Leitores de todos os credos encontrarão sabedoria e inspiração nessas muitas mensagens do homem que lutou pela paz e pela independência da Índia. Gandhi acreditava na validade de todas as religiões, pois todas representavam o Deus único e superior, criador de tudo e força geradora da vida. Encontre as respostas e viva a paz do divino que há dentro de cada um de nós.
Gostaram dos lançamentos?

segunda-feira, 10 de março de 2014

Animais fantásticos e suas fantasias

As fotos de animais fantasiados estão cada vez mais comuns nas redes sociais. Toda semana tem alguém compartilhando alguma fofura e todo mundo fica babando. Não é pra menos, né? As produções são encantadoras e os bichinhos fazem pose direitinho. Resolvi reunir alguns dos animais/personagens mais fofos que estão circulando na internet. Bora conferir?

Fantasias com o tema "Harry Potter" existem aos montes. Fiquei apaixonada por essa primeira foto. Muito amor. ♥ 


Também encontrei uma Hello Kitty, uma Pocahontas, o Elvis, piratas e muito mais. 


Qual a fantasia que vocês mais gostaram? Difícil escolher, né? :) 

Todas as fotos foram tiradas do google

quinta-feira, 6 de março de 2014

Meu feriado foi assim... #MetaCarnaval2014


Cá estou eu para mostrar como foi meu feriado de carnaval e quais #metas eu consegui cumprir! Bora conferir?  

Quem me segue no instagram (@gabrielaamoroso, segue aí!) sabe que comi muito esses dias. A comilança começou na sexta, quando meu namorado e uns amigos vieram aqui em casa para fazer pizza. No total fizemos 4, mas só lembrei de fotografar a última. No domingo minha mãe resolveu fazer um bolo maravilhoso, que poderia se multiplicar na geladeira e nunca acabar. Hahah


Mas nem só de comida foi feito esse feriado. Tirei toodos meus livros do lugar, para poder arrumar certinho e fotografei a bagunça. Depois de muito quebrar a cabeça, decidi deixar na estante apenas os livros lidos. Os que comprei ou recebi de parceria e ainda não tive tempo de ler vão ficar, por enquanto, em uma outra estante.

Meus livros ficam na parte de cima do móvel, e a parte de baixo é cheia de gavetas. Fotografei só a parte que interessa, para mostrar como ficou arrumadinha! :)


Quanto a meta de leitura, lamento dizer que não foi completamente cumprida. Consegui ler apenas um livro, que em breve será resenhado aqui. Posso adiantar que fiquei com ainda mais vontade de ir a Londres. 

Dos filmes eu sabia que não conseguiria assistir todos, mas acho que poderia ter assistido pelo menos mais uns dois. Consegui assistir A menina que roubava livros (♥), O lobo de Wall Street e Gravidade (que não estava na minha lista, mas meu namorado queria assistir e eu acompanhei).  

Em minha defesa quanto as metas não cumpridas: Estou mudando o layout do blog. Uhuul! O layout atual já cansou, né? Comecei o projeto no feriado e espero conseguir terminar tudo em breve. 

E vocês, cumpriram suas metas? Descansaram bastante? Me contem!!