INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Entrevista: Sávio Lopes

Hoje é dia de? Entrevista! O convidado de hoje é o Sávio Lopes, autor de Deixe a Inglaterra Tremer. Ele contou um pouquinho sobre suas experiencias de vida e revelou qual sua maior fonte de inspiração. Espero que vocês gostem!  
Quando você percebeu que gostaria de ser escritor?
Percebi quando comecei a sentir a necessidade de me expressar de  formas que traduzissem os meus estados de espírito. Como não tenho talento para música, resolvi tentar escrever.

Quais são suas inspirações literárias? Você pode citar um livro que te marcou?
Eu estudo a literatura da Geração Beat no mestrado, mais especificamente o autor Jack Kerouac. Por isso, várias formas de contracultura na literatura me inspiram muito, por exemplo, autores como Hunter S. Thompson e Patti Smith. Gosto muito de autores mais “clássicos”, como Virginia Woolf e Dostoiévski também.
Um livro que me marcou muito, principalmente durante a escrita de Deixe a Inglaterra Tremer, foi O apanhador no campo de centeio, de J. D. Salinger. Gosto muito do narrador, Holden Caulfield, e seu senso de humor.

Durante a sua infância, você morou na Bélgica. Conte um pouquinho como foi essa experiência de se mudar com apenas 4 anos para outro país.
Mudei para a Bélgica com toda a minha família, pois meu pai estava fazendo doutorado na Universidade de Liége. Na verdade, eu não tenho muitas lembranças do processo de adaptação. Lembro de ter sido muito fácil (devido à idade) aprender o francês. Quando se é criança, aprende-se idiomas mais facilmente. Com certeza, foi muito marcante ter a educação primária em outro país, acho que isso ajudou muito a moldar o meu jeito quieto.

No período em que você esteve em Londres, você entrou em contato com pessoas de diversas culturas e costumes. Qual mais te chamou a atenção?
É dificil dizer qual cultura é mais marcante em Londres, pois todas elas compõem essa mistura característica da cidade, como é relatado em Deixe a Inglaterra Tremer. Dois lugares que me senti mais a vontade no meu período lá foi o sudeste da cidade e a região de Candem Town. Acho que as duas regiões são muito abertas às diferentes culturas e possuem a consciência de que esse contágio pode ser enriquecedor de alguma forma. Contudo, não tem uma cultura específica dessas regiões que tenha me agradado mais, acho que é a mistura existente nesses locais que mais me chamou a atenção.

Você pretende escrever outro livro? Conte sobre seus projetos futuros.
Pretendo sim. Estou sempre escrevendo trechos de livros, contos e etc. Não sei qual deles eu publicaria ou divulgaria. A maioria desses projetos está relacionado de alguma forma à musica, pois essa é minha principal fonte de inspiração.

Você encontrou dificuldades para publicar seu livro?
Sim. O mercado brasileiro não é muito aberto a novos autores e, além disso, parece ter mais interesse em livros que tenham um grande apelo comercial, o que não sei se é tanto o caso de Deixe a Inglaterra Tremer. A publicação requer também um grande investimento financeiro e dedicação para divulgação, o que é um grande empecilho.

Qual a sua dica para os futuros escritores?
Ainda sou um pouco inexperiente para dar dicas, mas uma coisa que gostei muito em minha experiência de escritor é o fato de eu me sentir confortável com o resultado do meu trabalho. Por mais que eu tenha mudado desde que escrevi Deixe a Inglaterra Tremer, ele saiu exatamente da forma como eu queria que ele fosse na época. Por isso, recomendo aos futuros escritores que não se preocupem tanto com os resultados do livro, contanto que estejam confortáveis com o que estão escrevendo e, também, com a editora e o público que estão lidando. É muito bom sentir que o seu trabalho é realmente a sua cara.

Deixe um recado para os leitores.
Agradeço aos leitores e criadores do Pitada de Cultura pelo interesse em conhecer um pouco o Deixe a Inglaterra Tremer e aos que ainda não leram espero que gostem =)

4 comentários:

  1. Eu concordo e também discordo dele. Acho que o mercado brasileiro está cada vez mais aberto às publicações nacionais, mas como ele disse, dão preferência por livros com mais apelo comercial.
    O autor é bem viajado hein e tão novo.
    Não conhecia ele. Entrevista perfeita, parabéns,


    Beijo, Van - Blog do Balaio
    balaiodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Van!
      Com certeza, os livros com apelo comercial ganham mais visibilidade das editoras. Mas acredito que cada vez mais os autores nacionais vão ganhar espaço, independente do tema da história. :]

      Beijos

      Excluir
  2. Que entrevista bacana, ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas agora me interessei muito mais!


    https://www.facebook.com/blogitsjess
    http://www.itsjess.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena ler, Jéssica! O livro é ótimo :)

      Excluir