INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Uma certa justiça


O crime central deste romance é o assassinato de Venetia Aldridge, uma mulher obsessiva e arrogante que, dedicando-se de corpo e alma à advocacia criminal, conseguiu chegar ao topo da carreira, brilhando com seu talento e inteligência no tribunal mais famoso da Inglaterra, o Old Bailey. Foi lá que realizou a defesa de Garry Ashe, um carismático jovem acusado do brutal assassinato de sua tia. Venetia, porém, não poderia saber que um mês depois seria morta com violência em seu próprio escritório - pois, como diz P. D. James no início de Uma certa justiça, "os assassinos não costumam alertar suas vítimas". Por mais hábeis que sejam, entretanto, sempre deixam pistas, e segui-las até o fim é o trabalho do inspetor Adam Dalgliesh e sua equipe da Scotland Yard. 
Considerada uma das melhores autoras do gênero policial inglês, Phyllis Dorothy James nasceu em 1920 e só começou a escrever em 1962. Desde então publicou catorze livros. 

Conheça Venetia Aldridge, uma advogada bem sucedida, que está no auge de sua carreira. Inteligente, destemida e de difícil convivência, ela dedica sua vida a defesa de criminosos. Independente do crime cometido, ela monta uma defesa incrível e, na maioria dos casos, consegue a vitória. Ela é boa no que faz e sabe disso, sendo assim, se acha no direito de passar por cima de tudo e todos para conseguir a justiça que deseja. 

Visualize a vida de Venetia durante a última semana. Sua filha rebelde decidiu se casar com Ashe, um criminoso que ela tinha livrado da prisão algumas semanas antes. Seu amante decidiu terminar o caso deles e agir como se ela fosse uma qualquer. E seus colegas do colegiado estavam descontentes com sua decisão de apelar para seus direitos e tomar o lugar do presidente que estava se aposentando. 

Agora, encontre seu corpo. Os fatos? Venetia foi morta em sua própria sala (que estava trancada), fora do horário de expediente. É claro que foi assassinato, mas todos os possíveis suspeitos têm um álibi e ninguém está disposto a cooperar. Agora, o policial Dalgliesh e sua equipe precisam montar o quebra cabeças e descobrir quem está mentindo. Porém, quanto mais eles investigam, mais suspeitos e mais motivos aparecem. Será que Dalgliesh vai conseguir entender o que realmente aconteceu?
“Talvez só duas pessoas saibam a resposta. Uma está morta, e a outra não vai contar nada.” Página 260
Alguns trechos do livro são bem detalhados, tornando a leitura um pouco lenta, mas, em momento, nenhum cansativa.  James consegue prender o leitor do início ao fim, com boas doses de suspense.  Durante toda a leitura fiquei com aquela sensação de estar chegando perto de descobrir o que realmente aconteceu, mas ai a história tomava outro rumo e a curiosidade aumentava.

Enfim, eu nunca tinha lido nada da autora, comecei a leitura sem pretensões e gostei do livro. Acredito que quem gosta do gênero e não se incomoda com grandes trechos descritivos vai curtir a leitura. Alguém aí já leu alguma coisa da autora? 
“A voz é tão importante para um advogado quanto o é para um ator. Eu poderia ter sido advogado, se tivesse a voz. Infelizmente, à minha falta força. Não chegaria até o júri.” Página 53

Nenhum comentário:

Postar um comentário