INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Ele está de volta


Berlim, 2011. Adolf Hitler acorda num terreno baldio. Vivo. As coisas mudaram: não há mais Eva Braun, nem partido nazista, nem guerra. Hitler mal pode identificar sua amada pátria, infestada de imigrantes e governada por uma mulher. As pessoas, claro, o reconhecem — como um imitador talentoso que se recusa a sair do personagem. Até que o impensável acontece: o discurso de Hitler torna-se um viral, um campeão de audiência no YouTube, ele ganha o próprio programa de televisão e todos querem ouvi-lo. Tudo isso enquanto tenta convencer as pessoas de que sim, ele é realmente quem diz ser, e, sim, ele quer mesmo dizer o que está dizendo. Ele está de volta é uma sátira mordaz sobre a sociedade contemporânea governada pela mídia. Uma história bizarramente inteligente, bizarramente engraçada e bizarramente plausível contada pela perspectiva de um personagem repulsivo, carismático e até mesmo ridículo, mas indiscutivelmente marcante. 
Já imaginou se Hitler reaparecesse hoje? Como seria a reação das pessoas? Como seria a reação dele? É isso que Timur Vermes mostra no livro Ele está de volta. Achei a premissa bem interessante, pois além de unir história mundial e ficção, insere o Hitler em um ambiente totalmente novo pra ele e altamente conhecido por nós, onde qualquer um pode expor sua opinião para o mundo inteiro, a internet.    

Hitler acorda em um terreno baldio, não sabe onde está e nem como foi parar ali. Seus primeiros pensamentos são estritamente estratégicos. Ele tenta imaginar como é possível estar tudo tão silencioso, mesmo estando em guerra. E porque os jovens que estão por perto não o tratam com o devido respeito? Hitler tenta se localizar e acaba em uma banca de jornal. O baque ao descobrir que está em 2011 é tão grande, que ele chega a desmaiar. Preocupado, o prestativo dono da banca o ajuda e o confunde com um comediante, afinal ele é a cara de Adolf Hitler.

Com ajuda do jornaleiro, Hitler acaba na televisão e aos poucos vai ganhando fama. Ninguém acredita que ele é o verdadeiro Hitler, mas todo mundo se espanta com a semelhança. Para o povo alemão, ele é mais um comediante, dos bons. Para ele, o programa de TV é uma ferramenta para ganhar visibilidade e conseguir recrutas, que no futuro podem ajudá-lo a melhorar o país.
“Olhei para ele, indignado.
- Pareço um criminoso?
Ele me encarou.
- O senhor parece Adolf Hitler.
- Exatamente – respondi.”Página 23
O livro é narrado pelo próprio Hitler e ele tem uma linha de raciocínio tão limpa e coerente, que é muito fácil entender o que se passa pela sua cabeça. Além disso, ele é super carismático e consegue arrancar boas risadas com suas peculiaridades. Em alguns momentos quase dá para esquecer as tragédias que ele provocou. Por outro lado, sempre que ele fica amigável de mais, o autor faz questão de abordar algum tema polêmico e nos lembrar das resoluções nazistas. 

O personagem também passa por grandes reflexões. Em alguns momentos essas reflexões diminuem um pouquinho o ritmo da leitura. Em outros, elas deixam a leitura ainda mais interessante. Hitler demonstra estranheza em várias situações cotidianas, que são bem comuns para nós. Um exemplo é quando ele vê mulheres recolhendo as fezes de seus cachorros. Ele acredita que elas sofrem algum tipo de transtorno. O modo rigoroso como ele descreve as coisas e seu pensamento estrategista sempre presente contrastando com situações corriqueiras acabam dando um tom de comédia a vários trechos.    

Ele está de volta é uma crítica bem humorada à mídia e à sociedade, onde um personagem, que não presenciou a evolução da mídia, é inserido no mundo atual e passa a analisar friamente a relação das pessoas com a mídia. É interessante ver a reação de Hitler após se apresentar na TV. Ao procurar críticas na banca de jornal, ele descobre que foi citado apenas em pequenos jornais. Pouco tempo depois ele fica sabendo que virou fenômeno no youtube e que isso significa que seu desempenho foi excelente.
“Estendi para ele meu aparelho telefônico.
-Com isso aqui o senhor consegue chegar numa coisa chamada iútubi?” Página 145
O livro tem várias sacadas e é uma leitura bem interessante. Sem contar que a capa minimalista ficou linda. Recomendo.
“...cujo único conteúdo é espalhar o máximo possível de caos, porque as pessoas, na busca pela verdade, precisam comprar mais jornais e ver ainda mais programas de televisão.” Página 186
*Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Eu fui: Bienal do Livro SP

Que delícia escrever esse post. Sempre fui apaixonada por livros e sempre quis ir a Bienal. Infelizmente, nunca tinha dado certo. Até essa semana. Segunda-feira eu finalmente conheci a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. E agora eu vou contar tudo pra vocês!


Eu e minha amiga Amanda (do blog Guerra de Almofada) chegamos na Bienal por volta as 10 horas da manhã e não enfrentamos fila. Já tinha uma boa quantidade de pessoas, mas nada absurdo. Fomos pegar um mapa do evento e, surpresa: o mapa já tinha acabado. Conclusão: fomos explorando os estandes de forma aleatória mesmo e nos perdemos algumas vezes. Mas faz parte, né?


Encontramos alguns autores nos estandes e eu aproveitei para tirar foto. Luiza Trigo, autora de Meus Quinze Anos, que tem uma capa super fofa. Landulfo Almeida, autor de As duas Faces dos Destino e parceiro aqui do blog. Roberta Spindler, que foi super simpática e me deixou curiosa com seu livro A Torre Acima do Véu. Felipe Colbert, autor de Belleville, que já respondeu entrevista para o blog.


E Maurício de Souza! Gente, vocês não tem noção o quanto nós piramos. Haha Porque a gente tinha visto que ele estava confirmado pra ir outros dias na Bienal, mas segunda ele estava também! Só podia entrar para tirar foto e pegar autógrafo quem comprasse o novo livro dele, então nem tinha muita fila. Eu acabei comprando para o meu irmão porque não dava para perder a oportunidade de conhecer o Maurício de Souza. Foi incrível.


Vi muitos comentários falando que a comida do evento era horrível e super cara, então eu estava com bastante receio. Além da praça de alimentação (que tem vários tipos de comida), existem alguns pontos de alimentação, que vendem só  um tipo de comida. Decidimos almoçar no Spoletto, porque ficava longe da praça de alimentação, tinha mesas sobrando e pouca fila. Paguei em torno de R$30,00 por um prato (grande) de macarrão e uma lata de coca-cola. Achei caro, mas a comida era gostosa. A água também estava um absurdo, R$4,00 uma garrafinha.


Tenho uma lista enorme aqui de livros esperando para serem lidos, então eu já fui com o pensamento de não comprar muitos livros e aproveitar as promoções. O preço das editoras estava bem normal, nada de muito desconto não. A maioria dos estandes tinha 20% de desconto em qualquer livro, ou algum tipo de desconto progressivo. Vou mostrar minhas comprinhas em outro post, pra esse aqui não ficar gigante.


Valeu a pena? Com certeza! Como era segunda-feira e não tinha nenhum autor internacional programado, não tinha tanta gente. Dava para andar, não tinham filas absurdas, nem nada disso que fiquei sabendo que rolou no final de semana. Os estandes estavam bem abastecidos e dava pra pirar na quantidade de livros. Foi cansativo, não estou aguentando minhas pernas, mas estou super feliz. Amei o evento e com certeza quero ir no próximo.


*Algumas das fotos foram tiradas por mim e outras pela Amanda, que trabalha com fotografia. ;)

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Tag: Doenças Literárias

Conheci essa tag já tem um tempo, mas acabei esquecendo o nome do blog. Dia desses, passando pelo blog da Carol (Caverna Literária), me deparei novamente com a tag e dessa vez resolvi responder. A tag se chama Doenças Literárias e você precisa atribuir um livro a cada doença. Bora conferir?

Diabetes: Um livro muito doce
Percebi que não tenho muitos livros melosos e mega românticos. Acabei lembrando da história de Mil Dias em Veneza, que é quase um conto de fadas moderno. A história é real, romântica e muito doce.

Catapora: Um livro que você leu uma vez para nunca mais na vida
Escolhi Manuscritos do Mar Morto porque não consegui me adaptar com o ritmo de leitura e demorei um tempãaao pra ler porque ele é gigante. Então, não, eu não leria novamente.


Influenza A: Um livro contagioso
Jogos Vorazes decididamente me contagiou. Não tem nem o que falar. LEIA!


Ciclo Menstrual: Um livro que você relê constantemente
No momento eu estou com váaarios livro aqui na minha listinha de leitura, então não está sobrando tempo para reler nenhum livro. Mas, decididamente os livros da saga de Harry Potter foram os que eu mais reli na vida. Primeiro que comecei lendo emprestado, então quando finalmente conseguia comprar algum, eu relia. Quando ia lançar um filme, eu relia. Quando não tinha nenhum outro livro para ler, eu relia. Quando não tinha nada para fazer, eu relia. Peguei a Ordem da Fênix para tirar foto porque é o que tá mais visivelmente acabado lido.


Insônia: Um livro que você virou a noite lendo
Acho que o mais recente foi A máquina de contar histórias. Não cheguei a virar a noite, mas foi quase. Livro incrível.


Amnésia: Um livro que você leu e não se lembra
Só de olhar para a capa do livro eu geralmente lembro de grande parte da história. Fui observar a estante e demorei um tempo para lembrar o que acontecia em A escolha de Sócrates.


Asma: Um livro que te tirou o fôlego
Já comentei aqui que essa foi uma das melhores leituras do ano. Gostei de mais do livro e sim, fiquei sem fôlego ao ler O Segredo do Meu Marido. LEIA!


Má Nutrição: Um livro que você esqueceu de comer para ler
Passarinho me sequestrou e só deixou que eu voltasse a fazer minhas atividades normais depois de terminada a leitura.


Doença de Viagem: Um livro que te lembre/ você relacione com uma viagem
Comecei a ler Se houver amanhã em uma viagem á praia. Estávamos em dois carros e precisamos ficar um tempão no posto esperando o outro carro. Lembro que adorei a deixa para ler. haha Foi o primeiro livro do Sheldon que li.


Gostaram da Tag? Se alguém responder, me manda o link que eu quero conferir!! :)


Sempre posto os livros que li ou comprei na fan page (curte!) do blog e no meu instagram (segue!). Aproveita e me acompanha por la também. :)

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Sorteio: 3.000 seguidores

Heeey pessoal! A fanpage do blog chegou a mais de 3.000 curtidas e como prometido vai ter sorteio. Como são 3.000 curtidas, vou sortear 3 livros de uma vez e rechear a estante de algum sortudo(a). Na verdade eu queria sortear 3.000, um para cada um,  mas paciência, né?
.

Escolhi um romance, uma aventura nerd e uma história real e espero que vocês gostem. Para participar, as regrinhas de sempre.

- Seguir o blog pelo GFC;
- Ser residente no Brasil;
- Preencher o formulário abaixo.

a Rafflecopter giveaway

Observações:
• A promoção é válida até o dia 21/09/2014.
• O ganhador terá até 3 dias para enviar seus dados para entrega do prêmio. Após esse prazo, o sorteio será refeito.
• Quando receber o prêmio, o ganhador deverá enviar uma foto.

Que a sorte esteja sempre a seu favor. ;)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Um Amor Perfeito


Uma nova série de Susan Fox chega para aquecer os corações dos leitores. Conheça a cidade de Caribou Crossing em que um jovem casal planeja a vida que sempre sonhou... Wade Bly e Miriam são um casal perfeito: juntos desde a escola, ambos sonham com uma vida feliz juntos. Wade tem planos de se casar com Miriam e trabalhar no rancho de seu pai, e futuramente, com o dinheiro que irá guardar, aumentar sua família com quatro filhos. Miriam sabe que sua felicidade está ao lado de Wade. Ele é um homem carinhoso e sonhador e um amante quente e sensual. Suas vidas estão conectadas e felizes. Até que uma gravidez inesperada e algumas decepções irão desafiá-los. Eles estão prontos para encarar os desafios da vida? Um amor que está apenas começando... e provações que irão mostrar-lhes o caminho. Não perca a saga Caribou Crossing! 
É difícil escrever sobre um livro quando ele não conseguiu me cativar. Nunca tinha lido nada da autora e acabei solicitando Um amor perfeito para resenha por pura curiosidade. Infelizmente, meu primeiro contato com a Susan Fox não foi surpreendente.

Caribou Crossing é uma pacata cidade de interior. Cercada por ranchos, a cidade proporciona aos seus moradores uma vida tranquila e grande contato com a natureza. Wade e Miriam adoram a cidade e não conseguem se imaginar morando em outro lugar. Jovens e recém casados, eles estão começando a vida que sempre sonharam.

Oito anos depois, a vida não é o mar de rosas que eles planejaram. O casal continua sim apaixonado e feliz, porém o destino alterou a ordem de seus planos e agora eles têm uma grande hipoteca para pagar e uma linda filha para criar. E é nesse ambiente desconhecido que o destino dá um golpe ainda mais cruel na família. Agora Miriam e Wade precisam colar seus cacos e descobrir uma maneira de seguir em frente.
"Droga! Ela era uma pessoa otimista e que sempre procurava ver o lado mais luminoso da vida. Ela, sim, superaria tudo e, de alguma maneira, a vida voltaria ao normal." Página 102
Wade tem valores machistas e acha que precisa fazer tudo sozinho. Não aceita pedir ajuda ao pai e tem muita dificuldade em administrar sua dor. Mesmo assim, não se pode negar que ele é um companheiro apaixonado, que tenta fazer tudo de melhor para sua mulher e sua filha. Já Miriam é forte e tem a cabeça no lugar. Sabe bem o que quer e dá apoio incondicional ao marido. Porém, depois do incidente, ela entra em depressão e passa os dias tentando apenas não pensar, não sentir. 

Até a metade do livro, a narrativa vai alternando entre o presente e flashbacks do passado. Cada capítulo é contado a partir da visão de Miriam ou de Wade e os capítulos se complementam bem. Do meio até o final, a narrativa passa a mostrar o que está acontecendo no momento. Achei bacana esse estilo da narrativa, fez a leitura fluir bem. 

Como eu disse lá em cima, a história não me conquistou. É uma leitura rápida e leve, mas a história é perfeita de mais, sabe? Parece que a autora escreveu tudo de forma mecânica. Quando o inesperado aconteceu na vida do personagem, eles se fecharam e ficaram previsíveis. Só nas últimas páginas que consegui encontrar personagens semelhantes a pessoas reais.  

Enfim, o livro não é ruim, mas não foi uma história que me acrescentou alguma coisa. Não é o tipo de livro que você passa horas pensando depois, nem que te surpreende. É bem escrito, tem uma capa bonita, personagens bacanas, mas para por ai. Não tem nenhum aspecto encantador. Então, recomendo para você que adora romance, casais apaixonados e histórias extremamente leves.  
"Eu também te amo, minha querida. - Olhando em seu belo rosto, ele refletiu. - Sabe, quando nos casamos, aos dezenove anos, aquilo meio que me pareceu que a gente estava brincando de ser gente grande. Agora, sinto que tudo é real. Um rancho e uma filha. Acho que não dá pra ser mas gente grande do que isso..." Página 30
*Este livro foi uma cortesia da Única Editora. 

domingo, 17 de agosto de 2014

Bienal 2014: Um pedacinho da programação

A tão esperada Bienal Internacional do Livro 2014 está chegando. Sei que muitos blogueiros, autores e leitores do país inteiro estão se programando para visitar a Bienal, então vim postar um pouquinho do que vai rolar lá. 

Provavelmente eu vou no dia 23 e já planejei fazer mil coisas por lá. Acho mesmo que vou precisar de um vira-tempo para dar conta. haha Mas enfim, hoje vou postar a programação que duas editoras e alguns autores me mandaram. 

Lígia Miraglia: Lançamento de seu novo livro no dia 23/08, ás 15:00 horas e no dia 27/08 ás 17:00 horas.

Landulfo Almeida: estará presente no estande da Editora Novo Século nos dias 22, 23 e 24/08.

Sávio Lopes


Editora Novo Conceito

Se quiser mais informações, é só acessar o site da Bienal! Quem ai já está com as malas prontas? :D
  

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

#Ilustraday: Vintage

Hey pessoal! 
O post de hoje é sobre ilustração! A Camila, do blog Meninices da Vida criou um projeto super bacana chamado #Ilustraday. O projeto reúne o pessoal que curte ilustração em uma página lá no facebook e a cada mês é definido um tema. Depois é só soltar a criatividade e postar a ilustração no dia 15. Esse mês eu participei e vim compartilhar o resultado com vocês. 

O tema desse mês é vintage. E a minha inspiração veio direto da minha lista de desejos. Sabe aquelas penteadeiras trabalhadas, cheias de detalhes? É dessas que eu quero. E como esse tipo de móvel sempre me remete às divas vintage, resolvi que essa seria a minha ilustração para o #ilustraday. 

Fiz um esboço com lápis e depois vetorizei no illustrator. Meu irmãozinho estava por perto e ajudou desenhando um passarinho para dar um toque de estilo. Espero que vocês gostem.


quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Promoção: Lev

Quem me conhece sabe que tenho uma grande paixão por livros físicos e que geralmente dispenso leituras digitais. Pois bem, de uns tempos pra cá tenho cada vez mais pensado nos e-readers. Não, não vou abandonar os livros físicos. Mas sabe quando você não tem como levar um livro junto? Ou quando você quer ler em lugares que tem pouca luz? Ou você quer aquele livro que alguém indicou, mas não sabe se vai valer o espaço na estante? Pois bem, para essas situações eu queria um e-reader. E eis que a editora Novo Conceito me mandou um e-mail contando que a Saraiva está lançando o Lev

Lev é o novo e-reader da Saraiva, que pode armazenar até 4.000 títulos. É muita coisa, né? E além disso, ele tem cartão externo para armazenar documentos, tela HD e ainda permite a leitura de PDFs e EPUBs. Sem contar que o design é clean, uma graça. Fiquei apaixonada. E tem mais: a Novo Conceito e a Saraiva estão sorteando um Lev com luz embutida + e-book Se eu ficar. *-* Mas corre, porque o sorteio vai até amanhã! Quem sabe você leva essa novidade pra casa! :) Para participar é só clicar aqui!


Vocês gostam de livros digitais? Alguém já conhecia o Lev? 

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Se eu ficar


Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas. 


Nem sempre me apaixono pelos “livros do momento”. Claro que um ou outro sempre chama a minha atenção, mas não é sempre que eles viram minha prioridade e muitas vezes eles acabam não correspondendo as minhas expectativas. Ok, mas por que eu estou falando isso? Só para ficar bem claro que o motivo de eu ter ficado tão sensibilizada por essa história e estar recomendando para o mundo inteiro vai muito além de o livro estar “na moda”. Se eu ficar conta uma história emocionante, que vai te fazer refletir por um bom tempo. 

Mia tem uma vida ótima, obrigada. Está cursando o último ano de colegial, tem uma família unida e feliz, namora um roqueiro super gente boa e tem uma melhor amiga leal. Além disso, ela toca violoncelo e é muito talentosa. Assim como toda garota de sua idade, tem receios e inseguranças quanto à faculdade e ao futuro, mas, no geral, ela não poderia estar mais feliz. 

Sua vida muda abruptamente quando seu pai decide visitar um casal de amigos que mora na cidade vizinha. É um dia como qualquer outro, mas devido à previsão de neve todas as aulas foram suspensas e a família ganhou uma folga bem no meio da semana. Então Mia, seu irmãozinho Teddy e seus pais embarcam, pela última vez, em uma viagem juntos. 

Mia nem chega a sentir o acidente. Continua escutando a música que está tocando no rádio e percebe que seu corpo está inteiro. Se ela está bem, todo mundo deve ter saído do carro também. É isso que ela pensa quando começa a andar pela estrada procurando seus pais. Quando ela os encontra, percebe que eles estão mortos. Ela sai desesperada em busca de Teddy, mas acaba encontrando o seu próprio corpo. Como ela pode estar andando e observando tudo se seu corpo está ali, no chão? E é então que ela percebe a gravidade do que aconteceu.
“-Por quê? Digo, o que você vai conseguir fazer em um segundo?
Adam faz uma pausa. Seus olhos, que normalmente são uma mistura de cinza, castanho e verde, de repente escurecem.
-Mostrar a ela que estou aqui. Que ainda há alguém aqui.” Página105
O livro é narrado por Mia e tem uma linguagem simples e leve. Mesmo assim, a história é densa e cria um peso dentro da gente. Depois do acidente, Mia acompanha seu corpo até o hospital e tenta descobrir o que aconteceu com Teddy. Ela passa as 24 horas seguintes acompanhando as visitas de seus familiares e amigos. A narrativa alterna os acontecimentos do hospital e flashbacks da vida de Mia. Ela conta como foi o nascimento do Teddy, seu primeiro encontro, entre outras coisas, e percebe que cabe a ela decidir se vai ficar. Só ela sabe o peso dessa escolha.

Eu acho que justamente pelo livro ser narrado pela Mia, com essa linguagem de adolescente, é que a história fica tão tocante. Muito do que ela fala ali já aconteceu comigo e com você. Os questionamentos, as festas, as inseguranças, os momentos felizes, a cumplicidade entre a família. Tudo isso é tão normal e tão presente na nossa vida, que é um baque muito grande ver isso destruído de uma hora para outra.

A consciência de tudo que foi perdido e dos momentos que não vão acontecer mais é uma das coisas que mais dificulta a escolha da Mia e que deixa a leitura mais emocionante. Pra mim, a grande lição desse livro é: dar mais valor aos pequenos momentos. Aproveite todo o tempo que você tiver com as pessoas que você ama. Aprecie e seja grato.  
“Sou eu quem deve decidir. Agora sei.
E isso me aterroriza mais do que qualquer outra coisa que aconteceu hoje.” Página 75
*Este livro foi uma cortesia da Novo Conceito.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Divulgação: Entre Dois Mundos - Recomeçar

Heey pessoal! Notícia boa para quem acompanha a trilogia Entre Dois Mundos. A autora Lígia Miraglia vai lançar o terceiro e último livro na Bienal de São Paulo, que acontece no final do mês. Eu praticamente devorei o segundo livro e estou muito ansiosa para saber o que acontece com Alícia. Se você ainda não conhece a trilogia, clica aqui para conhecer o primeiro livro e aqui para conhecer o segundo. 

O que fazer quando sentimos o coração aquecido por um novo amor? Um amor que me deixa em dúvida de como agir, com medo de magoar as pessoas que estão ao meu lado. Sinto-me aflita por saber que essa ferida aberta em meu peito nunca mais cicatrizará.
Tudo o que sonhei está cada vez mais distante. Sabe quando os planos que fez não são mais tão importantes?
É assim que me sinto, como se a minha vida hoje estivesse em segundo plano, porque Thales está cada vez mais próximo de toda verdade que de uma forma ou de outra fará mudanças em meu destino. Bem no fundo, eu não sinto que esse amor que nos uni seja possível, temos muitos problemas e nenhuma solução... Raul e Thales hoje fazem parte de mim e não sei onde isso me levará, mas sinto que o fim não será bom.
Muitos sentimentos hoje estão comigo. Mentiras, ofensas, incompreensão e paixão... mas nenhum deles se compara aos que me atormentam, dúvida, arrependimento e culpa.
O meu tempo está terminando e  sei que desta vez sofreremos por nossas escolhas, acertos e erros... Forças maiores do que imaginávamos nos assola e nos apavora, porém sei que juntos seremos fortes para enfrentá-los e ter a chance de recomeçarmos.
Gostou? Então corre participar da promoção que tá rolando na fan page do livro. Quem ganhar leva os 3 livros! o/

Está doido pra ler e não quer depender da sorte? Aproveita que o primeiro livro tá em promoção, com frete grátis! :)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Seis Anos Depois


Jake Fisher e Natalie Avery se conheceram no verão. Eles estavam em retiros diferentes, porém próximos um do outro. O dele era para escritores; o dela, para artistas. Eles se apaixonaram e, juntos, viveram os melhores meses de suas vidas. E foi por isso que Jake não entendeu quando Natalie decidiu romper com ele e se casar com Todd, um ex-namorado. No dia do casamento, ela pediu a Jake que os deixasse em paz e nunca mais voltasse a procurá-la.
Jake tentou esconder seu coração partido dedicando-se integralmente à carreira de professor universitário e assim manteve sua promessa... durante seis anos.
Ao ver o obituário de Todd, Jake não resiste e resolve se reaproximar de Natalie. No enterro, em vez de sua amada, encontra uma viúva diferente e logo descobre que o casamento de Natalie e Todd não passou de uma farsa.
Agora ele está decidido a ir atrás dela, esteja onde estiver, mas não imagina os perigos que envolvem procurar uma pessoa que não quer ser encontrada.
Em Seis Anos Depois Harlan Coben usa todo o seu talento para criar uma trama sensacional sobre um amor perdido e os segredos que ele esconde.
Jake Fisher é o tipo de cara que não acredita em amor a primeira vista, nem em ser destinado a encontrar sua metade da laranja, nem em nenhuma dessas baboseiras românticas. Porém, ao se apaixonar por Natalie e passar com ela momentos inesquecíveis, ele sabe, no fundo do seu coração, que encontrou a mulher de sua vida. Mesmo sabendo o quão clichê isso soa, ele tem certeza de que eles vão ficar juntos até o resto de suas vidas.

Só que não é bem isso que acontece. Poucos meses depois, Natalie termina com ele sem qualquer motivo aparente e decide se casar com o ex-namorado. Jake é atropelado pela realidade e antes que perceba está assistindo ao casamento de Natalie, da sua Natalie, a mulher de sua vida. É é nessa ocasião que ela faz com que ele prometa que a deixará em paz e não irá procurar por ela. E ele promete.

Assim como ele é um cara que só acredita na razão, Jake é um cara que cumpre as suas promessas. Então, sim, ele deixou Natalie em paz. Nunca ligou, nunca quis saber pra onde ela se mudou e nunca procurou seu nome no Google. Durante seis anos Jake pensou em Natalie todo santo dia, mas nunca fez mais do que pensar. Até o dia em que, por acaso, ele viu o obituário do marido de Natalie. E diante da morte do marido, ele se sentiu livre para procurá-la novamente e finalmente dar um fim a sua história. 

Porém, não foi tão simples assim. Ao chegar no velório e descobrir que a esposa do falecido não era Natalie, ele percebeu que tinha alguma coisa errada. Indignado, Jake visitou todos os locais que tinha ido com Natalie, há seis anos. Ninguém se lembrava dela, o local que eles se conheceram não existia mais e nem o Google conseguiu indicar qualquer notícia recente de Natalie. Ela tinha simplesmente desaparecido, sem deixar nenhum vestígio. 
"Tínhamos sentimentos. Não eram mentiras. E mesmo assim você me largou. Até me convidou para seu casamento. Por quê? Por que alguém seria tão cruel?" Página 66
O livro é narrado em primeira pessoa e Jake tem um senso de humor muito bacana, tornando assim a leitura fluida. Seu humor quebra o peso dos ~inúmeros~ mistérios que cercam sua vida. Quando não consegue encontrar Natalie, ele começa a reunir todo tipo de informação que consegue, mas isso acaba dificultando ainda mais sua busca. Tanto que em pouco tempo ele é afastado do seu emprego e seu amigo levanta a hipótese de Natalie ser apenas uma fantasia. Afinal, ninguém a conheceu e ela não está na internet. 

Com o passar das páginas, Jake descobre cada vez mais segredos e conexões. A cada resposta que ele descobre, surgem mais duas ou três coisas que não se encaixam. Coben cria uma narrativa com vários fatos interligados, vai revelando a importância de cada um ao longo do tempo, mas deixa sempre a peça chave oculta. 

A narração de Jake e os mistérios que rondam a história deixam a leitura intrigante. Durante toda a leitura fiquei com a sensação de que estava quase descobrindo o que realmente tinha acontecido. Essa sensação de estar perto da verdade impulsiona a leitura e torna impossível se desgrudar do livro. Vale ressaltar que discordo de alguns comentários de que esse é o melhor livro do autor. Gostei muito e recomendo sim para todo mundo que gosta do gênero, mas, ele não roubou o posto de melhor livro que já li do autor. 

Outro ponto que merece ser ressaltado é que esse livro não deixa de ser uma história de amor. Afinal o cara larga tudo para descobrir o que aconteceu com a sua amada. Então, se você é fã do Coben, gosta do gênero ou quer conhecer alguma obra dele: Leia. É um bom livro, cumpre sua proposta e tem uma história interessante.
"Ela teve crises de confiança durante muito tempo. Você não faz ideia. Mandava todo mundo embora e, no entanto, nunca perdia a esperança.- Ela levantou a cabeça e olhou para mim. - Você sabe o que é ter esperança, Jake?" Página 228
*Este livro foi uma cortesia da Editora Arqueiro. 

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

5 on 5: Coisas que eu amo!

Hey pessoal! O post de hoje é um pouquinho diferente. Fui convidada pela Thais, do blog Amiga da Leitora para participar desse projeto fotográfico e claro que eu adorei a ideia. Vocês já conhecem?

O 5 on 5 (qualquer outro número no lugar do cinco) é um projeto fotográfico que acontece na internet já faz algum tempo, não nós não criamos ele agora, outras blogueiras também se reúnem para fazer esse tipo de projeto que funciona da seguinte maneira: um número X de blogueiras (os), fazem um número X de fotos aleatórias e postam em seus blogs em um dia X. Consequentemente se o grupo tem 5 blogueiras por exemplo, as fotos e data das fotos terão que ser 5 também, entendem? O objetivo não é reunir nenhum grupo de fotografas profissionais galera, longe disso! E sim nos divertimos, praticar a fotografia e ainda fazer com que vocês conheçam um pouquinho mais da blogueira que vos fala aqui.

Nosso grupo fechou com cinco blogueiras (por isso ficou 5 on 5): Eu (Pitada de Cultura), Thais (Amiga da Leitora), Bruna (Meu Mundinho Fictício), Aliicia (Ficção por Livros) e Mareska (Eu Li e Agora?) e o tema de hoje são cinco coisas que eu amo. Optamos por ele para que vocês possam conhecer um pouquinho mais de cada uma de nós que estaremos aqui todo dia 5 para mostrar 5 fotos aleatórias do nosso dia a dia.

E siiiim, era para esse post ter entrado ontem, dia 5, mas por motivos de força maior (muito serviço!!), eu não consegui postar. Prometo que mês que vem o post entra certinho no dia 5, tá? 

1- Família: A foto é com o namorado, mas representa a família inteira. ♥


2- Livros: Minha grande paixão. Leio desde que me lembro, e não consigo ficar sem. É um vício.


3- Comer e cozinhar: Sou daquelas pessoas que passam o tempo entre as refeições pensando no que vai comer. Meu apelido aqui em casa é "Tô com fome". haha Também amo cozinhar. É incrível saber que com passos simples podemos criar comidas maravilhosas.
P.S.: O bolo da foto foi minha mãe quem fez e eu comeria ele sozinha se deixassem. 


4-Viajar: Não que eu viva viajando, mas gosto muito de viajar. Cada viagem é uma experiência única e quando eu crescer haha quero viajar sempre. Para ilustrar, essa cartinha fofa da Natália, com um ingresso da bienal. Quem vai?


5- A quinta coisa que escolhi é dirigir. Como não é inspirador colocar uma foto de carro ou de pneu, coloquei essa pipa que remete a liberdade. E é exatamente essa sensação de liberdade que tenho quando estou dirigindo.


Gostaram da coluna? Alguém se identifica com as 5 coisas que eu amo?

Ahh, não esquece de conferir as fotos das meninas: Thais, Bruna, Alicia e Mareska. :)