INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Para 2016, um pedido


Fonte: We Heart It
Cansei de correr. Cansei de me pegar apressando os outros. Rápido, anda logo, vamos nos atrasar. Todo dia a mesma correira louca, o mesmo nervoso com o trânsito, a mesma falta de paciência com quem não se apressa. Cada dia mais perto de uma gastrite, de um colapso nervoso, de um ataque do coração. Cada dia mais longe do tempo que passou, dos pensamentos positivos, da paz de espirito. 

Cansei de ser o tipo de pessoa que anda por ai, com a cara amarrada, correndo pra cima e pra baixo. Que deixa uma fila no banco, um motorista barbeiro (ah, esses motoristas!) ou uma pessoa teimosa estragar um pedacinho do meu dia. Cansei de atropelar o tempo. De atropelar a vida. Quando a pressa aperta, a vida perde a cor, o mundo vira contra você e nada, nada tem graça.  

O fim do ano chega e a gente revê tudo que não deu tempo de fazer, todas as metas que vão ficar para o próximo ano. E a mesma coisa acontece, ano após ano. E aí a gente percebe que passou o ano todo com pressa e não teve tempo pra nada. Pode isso? Volta e analisa. Sabe aqueles minutinhos que nós perdemos resmungando e apressando? E aqueles dias em que tudo deu errado, o mau humor atingiu nível máximo e nós não quisemos saber de nada? Ahh, e não esqueça do tempo que nós perdemos cuidando da gastrite! Pois bem, se tivéssemos usado esse tempo de uma maneira mais proveitosa, poderíamos, com toda certeza, riscar algumas metas da lista desse ano. 

Com isso em mente, chegar uns minutinhos atrasada no compromisso, esperar a pessoa decidir para que lado ela vira enquanto o farol está aberto ou escutar uma música enquanto a fila não anda se tornam opções bem mais atraentes do que se entrar no stress automático. A vida muda, um pouquinho de cada vez, e o vício da pressa vai se perdendo. 

Então, para 2016, um pedido: não se apresse. 

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Unboxing Amigo Secreto


Heey pessoal! Quem aí lembra do amigo secreto que nosso grupo de blogueiras do whatsapp realizou ano passado? Pois é, agora já virou tradição e esse ano fizemos de novo. E com mais emoção! Combinamos de gravar um unboxing quando o presente chegasse, assim poderíamos conferir a reação de cada uma.  




E gente, fiquei toda boba com o presente. Passei o dia inteiro esperando para poder gravar, fiquei afobada e o resultado vocês podem conferir ai no vídeo. Acho que mereço um joínha só pelo esforço de esperar o dia inteiro para abrir a caixa, né? haha


Gente, e essa Nutella? Fiquei tãao feliz com ela, vocês não tem noção! ♥


Tudo muito maravilhoso, né? Anna, muuito obrigada pelo esforço de encontrar presentes tão legais e pelo carinho. Amei tudo, de verdade! ♥


E se você quiser saber quem eu tirei, é só clicar aqui!! :D

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Tag: Complete a frase...


Heey pessoal! A Nanda do Trocando o Disco me indicou para responder a tag Complete a frase... e cá estou eu. Achei a tag super divertida, principalmente com os gifs que a Nanda colocou para ilustrar. Gostei tanto que vou usar sua ideia, tá Nanda? haha Espero que vocês gostem das respostas!

Sou... indecisa! Ou será que não?

Não suporto... gente que só vê o lado ruim das coisas. Para de mimimi e vai ser feliz!

Eu nunca... viajei de avião.

Eu já briguei... com meu irmão que é treze anos mais novo que eu. Ainda brigo. Com muita frequência. haha

Quando criança... adoravaaa brincar de cabana. 

Neste exato momento... eu estou morrendo de sono.

Eu morro de medo de... cobra. É mais que medo, é pavor. Passo mal só de ver na TV! Sem gifs dessa parte. Eu realmente não gosto de olhar pra elas! D:

Eu sempre gostei de... ler! Sempre, desde que era bem pequenininha. Consigo ler em qualquer lugar, com ou sem gente por perto, em qualquer posição.

Se eu pudesse... faria um tour gastronômico pelo mundo inteiro. Experimentaria as principais comidas de cada região.

Fico feliz quando... estou com as pessoas queridas.

Se eu pudesse voltar no tempo... visitaria alguma civilização antiga.

Adoro... comer!

Quero muito viajar... para New York  ♥

Eu preciso... de dias mais longos. Ou de muita organização na minha vida. Haha #tátenso

Não gosto de ver... filmes de terror. 

Se identificou com alguma resposta? Me conta nos comentários :D. E se você gostou da tag, responda também!! 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

A Playlist de Hayden


Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente. Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava. A PLAYLIST DE HAYDEN é uma história inquietante sobre perda, raiva, superação e bullying. Acima de tudo, sobre encontrar esperança quando essa parte parece ser a mais difícil.

Sam e Hayden são inseparáveis. Vieram de famílias bem diferentes e foram unidos pela paixão pelo mundo geek. Além de melhores amigos, eles são seus únicos amigos. Até a noite da festa. A noite da briga. Aquela, na qual tudo mudou

Com a briga da noite anterior ainda fresca na memória, Sam resolve ir à casa do amigo se desculpar. Sabe que Hayden está chateado e já prevê que a conversa não vai ser fácil. No entanto, Sam não imaginou que a conversa jamais aconteceria. Hayden havia desistido da vida na noite anterior. Deixou para trás um bilhete, algumas músicas e um melhor amigo extremamente triste e confuso. 

Depois de passar pelo funeral, Sam percebe que seu melhor amigo mantinha alguns segredos. Dividido entre a raiva que sente por Hayden tê-lo abandonado e a culpa por não ter percebido nenhum sinal que pudesse impedir o suicídio, Sam passa os dias escutando repetidamente a playlist que Hayden deixou e tentando desesperadamente entender o que aconteceu com o amigo. 
“Que ideia mais idiota comprar uma coisa que me faria pensar em Hayden toda vez que eu olhasse para ela. Eu não conseguia parar de pensar nele desde que o encontrei. Não conseguia tirar da cabeça a imagem dele ali deitado, desacordado debaixo de todos aqueles lençóis estúpidos do Star Wars.” Página 37 
A Playlist de Hayden é um livro que aborda bullying e suicídio de uma maneira delicada. Você sabe qual é o foco da Falkoff, mas em momento nenhum a história fica muito densa. Ela conseguiu transmitir o recado para o público jovem de uma maneira atrativa.  

A autora também mostra como é difícil para quem fica. Os sentimentos variam entre culpa gigantesca por não ter feito o que estava ao alcance, por não ter tentado impedir os episódios de bullying e raiva incontrolável pela fraqueza e pelo egoísmo do outro ao cometido suicídio.

O livro também conta com uma pitada de mistério. Os meninos que praticavam bullying contra o Hayden começam a passar por várias situações embaraçosas e Sam é logo apontado como o autor desses “atentados”. Mas, ele não poderia ter feito tudo isso, né? Afinal, ele não se lembra de nada!

A Playlist de Hayden é uma ótima leitura. O final é totalmente coerente com a proposta do livro e foge do óbvio. Michelle Falkoff consegue cumprir sua proposta e ainda nos mostra como pequenas atitudes podem realmente mudar o rumo da vida de alguém. 
“Se havia alguma coisa que eu aprendera com a playlist, é que ouvir as pessoas pode ser importante. Gosto de pensar que estou ficando melhor nisso.” Página 283
*Esse livro foi cedido para resenha pela Editora Novo Conceito.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Dezembro ♥

Passo mais tempo ouvindo do que falando. Observo o mundo ao meu redor com calma. Por fora, tudo parece normal. Mas, por dentro, meus pensamentos fervilham. A cabeça não para nunca, nem quando deveria relaxar. A ansiedade me consome. Problemas pequenos são analisados de tantas formas diferentes que parecem gigantes. A vida, que antes parecia passar tão devagar, se mostra em um ritmo frenético e, olhe só, as festas de fim de ano já começaram a dar as caras. A frustração aparece e os planos não realizados imploram por atenção. Em um momento de descuido o caos se instaura e parece que nada mais vai dar certo. 

Aí você se lembra de que o cérebro adora pregar peças. Não é você que ama dezembro? Para e respira. Aí você percebe que os planos só estão te lembrando de que eles ainda existem. O caminho é longo, mas vale a pena. Os problemas pequenos voltam a ser apenas isso: pequenos. E você percebe que não adianta nada carregar certos fardos. Perdoe-se e permita-se. Reveja suas prioridades, ajuste o foco e viva. O resto simplesmente acontece. 

Tirinha: Carolina Carmo

Hoje é segunda-feira. Dia de ter um ótimo começo de semana. ;)

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Que falta você me faz


Dezoito anos se passaram desde que a detetive Kat Donovan sofreu as maiores perdas de sua vida: a morte do pai e o fim do relacionamento com o noivo. Foram dois acontecimentos muito bruscos que ela ainda não conseguiu superar totalmente, mas, no dia a dia, prefere não pensar muito nisso.
Contudo, de uma só vez, essas duas feridas voltam a se abrir. Ao saber que o assassino de seu pai será executado, Kat resolve ter uma conversa com ele para esclarecer o caso. Mas o homem nega a autoria, dizendo que foi obrigado a confessar o crime, e ela acaba ficando com mais dúvidas.
Ao mesmo tempo, a detetive é procurada por um garoto que acredita que a mãe está desaparecida. Sem entender por que o adolescente insiste que ela, e não um outro policial, investigue o caso, Kat descobre que o sumiço está relacionado a seu ex-noivo e a um site de relacionamentos.
Lidando com dois casos simultâneos, ela decide seguir em frente com as investigações, mesmo que todos ao seu redor tentem dissuadi-la disso. Determinada, Kat trabalha segundo suas emoções, e a intuição lhe diz que ela não deve desistir.
Que falta você me faz é o segundo livro que leio do Coben esse ano e ele me fez pensar ~novamente~ o quanto esse autor é genial. A história grudou em mim, fiquei pensando no livro por vários dias. Sem contar as altas emoções durante a leitura. Preparem-se para cenas fortes no meio do caminho. 

Há 18 anos o pai de Kat Donovan foi assassinado e, pouco tempo depois, seu noivo a abandonou. Quase duas décadas se passaram, mas Kat ainda não superou.  Ela se transformou em uma pessoa solitária e infeliz e direcionou toda a sua vida para o trabalho. Formou-se e seguiu a carreira do pai, tornando-se policial.

Quando Kat menos espera, descobre que o assassino de seu pai tem pouco tempo de vida. Desesperada por respostas, ela consegue ter uma última conversa com ele que, ao invés de esclarecer tudo, deixa as coisas ainda mais confusas. Como se já não tivesse problemas o suficiente para solucionar, Kat é procurada por um adolescente (Brandon) que confia apenas nela para descobrir o que aconteceu com a sua mãe. Brandon tem poucas provas, mas afirma que a mãe foi viajar com o namorado e desapareceu. E o namorado é ~pasmem!~ o ex-noivo de Kat.
  
Motivada para descobrir o que realmente aconteceu na noite em que seu pai morreu e com a sensação de que existe alguma coisa terrivelmente errada no caso do desaparecimento da mãe do garoto, Kat começa a desenterrar o passado enquanto corre contra o tempo para concertar o futuro. 
“Você quer desenterrar a verdade, mas, em vez disso, só está se enterrando ainda mais. Por que será que o Henry vivia sumindo de casa? Por que ninguém nunca comentava nada a esse respeito na sua casa?” página 196
Que falta você me faz é um livro que aborda duas situações de uma maneira totalmente dinâmica. É narrado em terceira pessoa e cada capítulo aborda uma situação. Hora acompanhamos Kat e sua investigação, hora acompanhamos o que realmente está acontecendo com a mãe de Brandon e com as pessoas que estão com ela. Utilizando esse tipo de narrativa, Coben conseguiu passar muito bem uma visão geral do que estava acontecendo na história. Mas, não se engane. Mesmo sabendo de tudo que estava acontecendo, não foi nada fácil desvendar os mistérios que Coben criou.

Além dos mistérios instigantes, Coben criou fortes personagens, cada um com uma bagagem interessante. No decorrer da história vamos descobrindo coisas que nem imaginávamos e essas descobertas vão influenciando nossa percepção da situação. A partir daí, o ritmo da leitura vai se tornando cada vez mais frenético e, antes que você perceba, o livro grudou em você. Não dá para parar de ler e ir dormir. Ou comer. Ou trabalhar. Você lê, lê e lê. E quando termina, a história continua em você. É a magia do Coben.

Se você já leu alguns livros do Coben, deve ter percebido que o autor adora utilizar as várias faces da internet em suas histórias. Em Que falta você me faz foram abordados os perigos que um site de relacionamentos pode oferecer. Coben mostra uma situação extrema, onde as vítimas são descaradamente roubadas e enganadas e depois friamente assassinadas. As situações são descritas de com tanta veracidade, que chega a ser assustador. 

Se você ainda não leu nada do Coben, esse é um ótimo livro para começar. Vai te mostrar as melhores qualidades do autor. Se você já é fã do Coben, esse livro não vai te decepcionar. Gostei MUITO e recomendo!
 “A desesperança era muito mais produtiva quando procedia da esperança. Não havia mistério: para espatifar um objeto no chão, antes era preciso erguê-lo bem alto. Ou, em outras palavras, era preciso haver esperança para que fosse possível extingui-la.”Página 238
Ficou interessado nos livros do autor? Então confira a resenha de Um passo em falso, Seis anos depois, Alta tensão, Confie em mim Não conte a ninguém e Cilada.

*Esse livro foi cedido para resenha pela Editora Arqueiro.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Você PRECISA conhecer: Tiago Iorc!

Confesso que sou uma pessoa acomodada no quesito música. Gosto muito de música antiga e quase nunca canso de ouvir sempre a mesma coisa. Geralmente descubro novos cantores através de alguma música que escutei por acaso e acabei gostando. Procuro no youtube e sempre escuto mais algumas faixas para conhecer o trabalho da pessoa. Eis que eu estava assistindo um vlog da Karol Pinheiro e de repente apareceu um pedacinho do show do Tiago Iorc. Gostei muito do que ouvi, fui procurar por ele no youtube e VICIEI. Sério gente, como eu não conheci o trabalho dele antes?


O Tiago compõe em inglês e em português, sua voz é doce e a melodia é sempre maravilhosa. Ele está em turnê com o seu novo álbum Troco Likes. Vale a pena conferir se tem algum show marcado perto de você. ;)




Quem aí já conhecia? 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Sumiço + Dondoca Bacana

Heey pessoal, tudo bem? Eu sei que estou em falta com vocês e com o blog, mas juro que é por um bom motivo. Quem acompanha o Pitada há um tempinho sabe que eu sou designer e que trabalho como freela. Porém, no inicio do ano, eu e meu namorado abrimos uma empresa juntos e gente, vocês não tem noção do trabalho que dá. É muita coisa para resolver e, como por enquanto somos só nós dois, temos muuuuito trabalho para fazer. 

E aí vocês me perguntam: o que o blog tem com isso? O blog é meu hobby e minha forma de me expressar, de falar sobre assuntos que eu gosto e divulgar dicas que acho pertinentes. E em momento nenhum foi cogitada a ideia de abandoná-lo ou coisa do tipo, mesmo porque até o mês passado eu estava conseguindo conciliar tudo, com uma frequência menor de posts, mas ainda assim com conteúdo. Acontece que, entre uma conversa e outra surgiu uma oportunidade de tirar um projeto antigo da gaveta, a Dondoca Bacana.

A Dondoca é uma loja online focada no público feminino, que une duas paixões: moda e artesanato. A oportunidade bateu na porta e nós já tínhamos o projeto todo esboçado. O que faltava? Tempo! E é ai que o blog entra. Julho e agosto foram uma correria e algumas coisas precisaram ficar em segundo plano, para podermos finalizar a Dondoca e organizar todos os outros projetos da empresa. 

Eu acredito muito que, se a gente sonha, a gente têm que ir atrás de construir. E nada garante que o caminho vai ser fácil. Agosto está terminando e os projetos estão encaminhados. A Dondoca Bacana está no ar, o blog vai voltar ao ritmo normal e teremos muito trabalho pela frente, se Deus quiser.

Quis dividir um pouquinho do que estava acontecendo na minha vida como uma forma de me desculpar pela minha ausência nos últimos tempos. Espero que vocês entendam.

E claro, gostaria de convidar vocês para conhecerem a Dondoca Bacana. Espero de coração que vocês gostem da loja, foi feita com muito carinho.


E gente, aproveita para seguir no insta (@dondocabacana) e no face (aqui!), vai! Chama a mãe, a tia, a vó e a amiga! Obrigada! ♥

domingo, 2 de agosto de 2015

Uma Curva no Tempo


A noite do acidente mudou tudo... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel está desmoronando. Ela mora sozinha em Londres, num apartamento minúsculo, tem um emprego sem nenhuma perspectiva e vive culpada pela morte de seu melhor amigo. Ela daria tudo para voltar no tempo. Mas a vida não funciona assim... Ou funciona?
A noite do acidente foi uma grande sorte... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel é perfeita. Ela tem um noivo maravilhoso, pai e amigos adoráveis e a carreira com que sempre sonhou. Mas por que será que ela não consegue afastar as lembranças de uma vida muito diferente?

Como resenhar um livro que conseguiu me tocar de uma maneira tão singular quanto esse? Confesso que me deixei levar pela história e não percebi o rumo que ela estava tomando e, quando percebi, já era tarde demais. Como comentei nesse vídeo, Uma Curva no Tempo destruiu meu coração e se tornou uma das melhores leituras que fiz esse ano.

Rachel é uma adolescente normal, cheia de planos para o futuro. Ela e seu grupo de amigos estão se encontrando pela última vez antes de cada um seguir o seu caminho e ir para a faculdade. No meio do jantar, um homem perde a direção do carro e vai direto para o restaurante, causando o acidente que mudou a vida de todos eles.

Cinco anos depois, Rachel ainda não conseguiu superar o acidente. As cicatrizes emocionais são mais profundas do que as cicatrizes físicas e ela sabe que sua vida é um fracasso. O emprego é frustrante, o apartamento é pequeno e a vida, solitária. O pai está doente e, ao que tudo indica, ela também. E é com essa bagagem que Rachel se vê obrigada a voltar para a sua cidade natal, para o casamento da melhor amiga. Mesmo sabendo que vai sofrer, Rachel está disposta a realizar o desejo da amiga. Ela só não imaginou que seria tão difícil encarar seus fantasmas.

Cinco anos depois, Rachel têm a vida que sempre sonhou. O acidente não passou de um susto e todos saíram ilesos. Agora ela está noiva, tem um apartamento maravilhoso e trabalha com o que sempre quis. Seu pai está saudável e sua vida não poderia ser melhor. Então, porque é que ela continua a ter essa sensação inquietante de que está tudo errado? Como ela pode se lembrar dos últimos cinco anos de sua vida de maneira diferente da que todo mundo se lembra? 
“Do espelho da penteadeira, meu reflexo me olhou em dúvida. Se eu não podia convencer nem a mim mesma, como conseguiria sobreviver às próximas 72 horas?” Página 31
Imagine que, de uma hora para a outra, a vida que você conhece não existe mais. Sua família e seus amigos ainda são os mesmos, mas todo o resto mudou para melhor. E, quando você se belisca, nada disso desaparece. Quando você se sente confuso, as pessoas te questionam sobre essa outra vida que você insiste em dizer que é real e, quando percebem que essa vida era uma péssima versão, insistem para que você deixe isso para lá. Só que você tem certeza do que está dizendo e simplesmente não consegue conviver com essa sensação de algo está muito, muito errado. Foi exatamente isso que aconteceu com Rachel. 

E, para conseguir ser feliz nessa nova vida, ela percebe que precisa provar para si mesma  que a outra vida não existe. Então sai em uma jornada por Londres, visitando os lugares e as pessoas que fazem parte da sua antiga vida. 

Gente, não dá para eu falar o quanto eu queria da história, para não estragar a leitura de vocês. A partir do momento que a Rachel começou a ir atrás da sua outra vida, eu fiquei tão compenetrada na história, que não consegui pensar em mais nada. Fiquei tão tocada quando percebi o rumo (isso já nas últimas páginas, juro!), que não consegui me conformar que a autora ia fazer isso comigo. E ela fez. E foi lindo. Terrívelmente lindo

Em Uma Curva no Tempo, Dani Atkins conseguiu mostrar o quanto a nossa vida é frágil e como é tênue a linha que separa a vida que nós temos da vida que poderíamos ter tido. A capa é linda e depois da leitura ela passa a fazer todo o sentido. Vale MUITO a pena ler. ♥
“Ninguém nunca lhe disse que, quando se cria um mundo de fantasia, ele deve ser melhor que o mundo real... e não mil vezes pior?”Página 166
*Este livro foi cedido para resenha pela Editora Arqueiro.

domingo, 26 de julho de 2015

Três motivos para assistir Orange Is The New Black


Terminei de assistir a terceira temporada de Orange is the New Black esses dias e ainda estou um pouco órfã. Resolvi fazer esse post para matar a saudade da série e mostrar um pouquinho para quem ainda não conhece. 


1. Baseado em história real (que mais parece ficção)
A série é baseada na história da Piper Kerman, autora do livro Orange Is the New Black: My Year in a Women's Prison. Piper foi condenada a 15 meses de prisão por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas, anos depois de ter cometido os crimes. A série mostra a Piper na melhor fase de sua vida, tanto emocionalmente como profissionalmente. E é justamente quando ela menos espera que recebe a notícia: ela vai ser presa, por um crime que cometeu dez anos atrás. Os episódios mostram o dia a dia de Piper na cadeia, sua relação com as outras detentas e a história de cada uma delas. Ainda não li o livro (foi lançado aqui no Brasil pela Intrínseca), então não sei se a série é totalmente fiel à história dela, mas pretendo ler em breve e venho contar o que eu achei. 


2.Referências
Gente, a série é repleta de referências a filmes, livros e personalidades. Eu adooro quando uma série que eu gosto cita outra coisa que eu também gosto. Dá aquele momento felicidade, sabe? Muito amor! Haha


3.Melhores personagens
Tem personagem para tudo quanto é gosto e eles são incríveis! Cada um com suas características, com seu jargão e com alguma coisa para ensinar. Eles conseguem fazer você rir, se emocionar e refletir. 

OITNB mostra todo o drama da prisão, os motivos que levaram as mulheres a cometerem os crimes, a maneira como a sociedade olha para elas e o descaso do governo com a prisão. E a série vai além. Mostra o processo de autoconhecimento de algumas e a fé de outras. Tudo isso pontuado com muito humor, com algumas atividades ilícitas, com sexo e muito palavão. Tá esperando o que para assistir, bitch?  

P.S.: A série é original netflix e vicia! 

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Chegou por aqui #2


Hey pessoal! Sei que estou um pouco sumida do blog, mas é por um bom motivo: muito trabalho! Maas, não vou abandonar vocês não e, para compensar, gravei um vídeo mostrando tudo que chegou por aqui nos últimos tempos. Vieram vários livros, de diferentes gêneros e entre eles tem um que está concorrendo a melhor leitura do ano. Vem conferir qual é o livro que destruiu meu coração!



Vocês já leram algum desses livros? Me contem nos comentários! Ahh, e fique ligado, porque tenho váaarias resenhas para liberar esses dias! :D

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Mundo Cão


Unindo elementos de literatura marginal com sentimentos altruístas, surge Mundo Cão, que narra, em primeira pessoa, a história de Pedro Contino, um jovem que so¬fre desde cedo por conta das peripécias da vida, e, por mais que busque o melhor, vê, em sua sombra, o caos. Morador da favela Roda Vida, Pedro poderia ter traçado qualquer caminho, mas a vida escolheu um em especial. Mesmo em meio à ausência de recursos, é apresentado à literatura por um vizinho mais velho, e, por conta dela, cria uma importante consciência social. Guiado por músicas e livros, ele logo percebe como tudo funciona. Indigna-se e, amargamente, percebe que não tem poder para realizar uma mudança no mundo…
O caos já faz parte dele, envolvendo-se com drogas, álcool, e, para completar, com as mais belas e loucas mulheres.
Pedro mora na favela Roda Viva e sabe muito bem quais são os perigos das escolhas erradas. Ele sempre foi diferente, cheio de ideias e planos de se tornar alguém. Influenciado pelo vizinho professor, Pedro embarcou na literatura e conseguiu dar sentido aos pensamentos que giravam em sua cabeça e pareciam estar fora do lugar. E, sabendo que ele tinha que ganhar a vida de algum jeito, considerou suas opções. 

O tráfico de drogas sempre foi o caminho mais fácil, mas que geralmente levava à morte precoce de quem embarcava nessa. Com isso na cabeça, Pedro resolveu tentar uma vida diferente. Saiu em busca de um emprego de verdade, que pudesse mudar sua vida de alguma forma e acabou encontrando a solução em um bar. Daqueles alternativos, que tocam música boa e que tem um ambiente gostoso. Daqueles que exibem cartazes de “Estamos Contratando”.  
Trabalhando apenas durante a noite e ganhando dinheiro o suficiente para todas as suas necessidades, Pedro parece ter encontrado a fórmula da felicidade. Mas ela dura pouco. Afinal, vivemos em um mundo cão
“Embora estivesse tendo de fato uma vida quase normal, frequentando praias, cinemas e restaurantes. Isso realmente me assustava, quando você está por cima tudo parece tão calmo, tranquilo e bom, terrivelmente bom. Poderia algo ser mais pavoroso que o medo de que aquilo acabasse?” Página100 
Pedro é um personagem difícil. Começou bem, agradou e conquistou. Mas, no decorrer da história teve algumas atitudes detestáveis e eu fiquei bem brava com ele. Por mais que Pedro consiga conquistar algumas das coisas que sempre sonhou, ele continua insatisfeito. E quando a gente está infeliz, o mundo vem e bate com força. E Pedro percebe que a vida não está para brincadeiras. Um passo errado e sua vida pode mudar para pior, muito pior.

Apesar de o livro se tratar de uma ficção, ele aborda situações reais com grande fidelidade. Pedro é o retrato do cara que nasceu na favela e não tem recursos, mas que é essencialmente bom. Que quer ser alguém na vida. Que tem sonhos. Porém, quando ele entra de cabeça no mundo lá fora, começa a lidar com pessoas e situações complicadas, ele percebe que para ter uma vida digna é preciso bem mais do que boa vontade. Pedro descobre, da pior forma possível, que a sociedade é realmente corrompida. 

O livro também está recheado de referências musicais e literárias. Tem desde Gabriel, o pensador até Bukowski, passando por Legião Urbana, Pedro Gabriel, Emicida e muitos outros. Essas referências enriquecem ainda mais o livro. 

Mundo Cão não é um livro denso, a escrita é fácil e as páginas são poucas, mas ainda assim não é um livro leve. A história faz você refletir e questionar. Até que ponto o ser humano pode chegar? De que maneira o ambiente e as condições sociais influenciam na vida de uma pessoa? O homem é vítima dos outros ou de suas próprias ações?
“O que devemos fazer com nossa tão querida liberdade? Nós não temos grupos de amizade duradouros, a globalização se expandiu demais, tudo hoje é passageiro, supérfluo, obsoleto.” Página 65
*Este livro foi uma cortesia da Editora Novo Século.

sábado, 4 de julho de 2015

Tirinhas: #SomosTodosMaju

É surreal perceber  a quantidade de pessoas racistas e preconceituosas que estão por ai. Que perdem tempo tentando atingir, nem que seja com um comentário bizarro, a vida de alguém.  Como pode um ser humano, um ser racional, desferir palavras e insinuações tão horríveis para outro ser humano? Que direito eles têm de ofender alguém pela cor da pele? Sinceramente, eu não consigo entender como ainda existem pessoas que podem ser tão rasas, tão ignorantes. Maju, estamos todos com você!



"Cada pessoa ou coisa é diferente
Já que assim, baseado em que
Você pune quem não é você?" 
Novo Aeon - Raul Seixas

domingo, 28 de junho de 2015

Home office: Preto e branco

Quem trabalha em casa sabe o quanto é importante ter um lugar só seu, estruturado e com tudo que você possa precisar. Eu já tinha um mini home office, mas ele não estava mais sendo funcional. Depois de algumas mudanças, passei a ter um cômodo inteiro só meu (e do namorado, que tá trabalhando comigo), com uma mesa enorme e algum espaço sobrando. 

E com ele veio a vontade de decorar tudo, pra deixar o escritório de cara nova. Depois de passar horas e horas no Pinterest (me segue!), decidi que a decoração deve usar preto e branco como base e ter alguns pontos coloridos. Separei algumas imagens que seguem essa linha e vim compartilhar com vocês.

 
 
 

Alguém tem mais inspirações desse tipo de decoração? Conta ai nos comentários!

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Perdendo-me


VIRGINDADE. Bliss Edwards vai se formar na faculdade e ainda tem a sua. Chateada por ser a única virgem da turma, ela decide que o único jeito de lidar com o problema é perdê-lo da maneira mais rápida e simples possível com uma noite de sexo casual.
Tudo se complica quando, usando a mais esfarrapada das desculpas, ela abandona um cara charmosíssimo em sua própria cama. Como se isso não fosse suficientemente embaraçoso, Bliss chega à faculdade para a primeira aula do último semestre e... adivinhe quem ela encontra?

Perdendo-me conseguiu me surpreender de forma bastante positiva. É uma leitura rápida, daquelas que você não consegue parar de ler. Nem de rir. 

Bliss está no último ano da faculdade e ainda é virgem. Isso nunca foi problema, mas, como ela está prestes a entrar no mundo real, começar a trabalhar e viver como adulta, ela acha que já está na hora de resolver esse problema. Afinal, não pode ser tão difícil assim, pode?

Ao pedir ajuda para Kelsey (a melhor amiga), Bliss é arrastada para um bar. Kels jura que esse é o jeito mais fácil de resolver o problema e, como ela tem bastante experiência no assunto, Bliss confia no plano da amiga. A busca pelo pretendente perfeito não vai muito bem e, quando já está desistindo, Bliss esbarra no Garrick

O que mais chamou a atenção dela é que ele está lendo Shakespeare dentro de um bar lotado. E claro, o fato de ele ser incrivelmente lindo ajudou bastante. Quando ele começa a falar, Bliss percebe que ele tem sotaque britânico. Perfeito. 

E esse é justamente o problema. Quando Bliss percebe que está prestes a ir pra cama com um cara incrível, um cara que ela realmente poderia gostar e ter algo sério, ela decide não apressar as coisas. E então ela toma a atitude mais óbvia: fugir. Seminua. Do seu próprio apartamento. 

Como se não bastasse a péssima primeira impressão que causou, Bliss dá de cara com Garrick na primeira aula do ano e descobre que ele é um de seus novos professores. Alguma dúvida de que esse vai ser um longo semestre?
“O meu cérebro analítico não deixou passar o fato de que ele usou o verbo no passado. Como em... ele não estava tentando seduzir ninguém antes, mas talvez estivesse agora.” Página 14
Bliss é muito inteligente e sempre teve tudo sobre controle, usando a razão como melhor saída. Mas, apesar de toda essa razão, ela é estabanada e sempre entra em situações constrangedoras, rendendo muitas gargalhadas para nós, leitores.  

O livro é narrado pela Bliss, então podemos acompanhar todos os pensamentos malucos dela. E gente, como ela pensa! Rolou uma empatia com isso, porque eu também sou super dramática e penso em absolutamente todos os aspectos de todas as situações e ver isso retratado em uma personagem, que é exageradamente racional, me fez perceber que de vez em quando é bom relaxar um pouco. 

Apesar do que pode parecer, a leitura não é super hot. É claro que o sexo está presente, afinal é uma das coisas que mais preocupa Bliss. Mas, existem outras coisas em jogo. O livro também mostra as indecisões de quem está saindo da faculdade, o medo de encarar o mercado de trabalho e um pouquinho do universo do teatro. 

Agora um pequeno spoiler do próximo livro: Cade. Ele é o melhor amigo da Bliss e é um fofo. Apesar de a Bliss não enxergar todas as qualidades dele, elas estão lá. E Fingindo, o segundo livro da trilogia, é sobre ele.♥

Esse foi meu primeiro contato com a Cora Carmack e eu gostei bastante da escrita dela. É leve e divertida, mas não deixa de ser interessante e de explorar algumas questões. Recomendo! 
  “Não importava o que eu estivesse sentindo... não poderia haver nada entre nós dois.” Página 89
*Este livro foi cedido para resenha pela editora Novo Conceito. 

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Engano



Adriana esbanja mistério e beleza pela ruas de Luanda. Mulher inteligente e cobiçada, usa de seus dotes para obter o que quiser; inclusive ingressos VIP para o maior evento da cidade: A Festa da Fama! O DJ mais famoso, o DJ Max, fará a animação do grandioso e esperado evento, e não se fala em outra coisa. No entanto, toda descontração será abalada por um terrível engano, trazendo consequências irremediáveis para a vida da ex-modelo. Nesta trama, estar no lugar errado e na hora errada fará todo sentido.
Skoob - Amazon  


A primeira coisa que me atraiu nesse livro foi a capa. Achei liiinda e fiquei curiosa para conhecer a história.

Adriana é linda e sabe muito bem usar isso a seu favor. Começou a trabalhar como modelo e hoje trabalha em uma agência, selecionando modelos para videoclipes e ensaios fotográficos. O trabalho é interessante, mas não rende o que Adriana sempre almejou: dinheiro e poder.

Para conquistar uma boa posição social, Adriana faz tudo o que for preciso. Sai com homens casados, mente, manipula e trai. Ela não se importa com ninguém, apenas com sua prima Safira. E é justamente essa vontade de agradar a menina que vai mudar radicalmente a vida de Adriana.

Quando tudo vira do avesso, Adriana já não se reconhece mais. Antes segura e insensível, agora ela está confusa e machucada. Vivendo os piores dias de sua vida, ela precisa decidir se dará uma chance ao amor ou se persistirá no mesmo caminho que começou.
"-Construí um muro na minha vida, estava decidida a não dar meu coração a ninguém. Me tornei essa menina má que você vê." Pág. 191
Ao ler a sinopse, imaginei que a história traria um grande mistério e, felizmente, acertei. Adriana é uma pessoa tão cheia de inimizades, que ficou difícil não desconfiar de metade do livro. Além de que, fora o engano que dá título ao livro, a história é cheia de outros pequenos conflitos, que impulsionam a leitura.

No inicio do livro Adriana é uma personagem desprezível. Interesseiraaaa, ela só pensa nela, mesmo. Mas, no decorrer do livro, percebemos que toda essa força e essa frieza que são tão características da personagem na verdade mascaram um abandono e uma decepção sofridos na infância e nunca superados. É bacana ver como ela amadurece com o passar das páginas e percebe o quão falho estava o seu caráter.  

Outro ponto interessante é que Engano se passa em Luanda, sendo assim, o livro mostra vários fragmentos da cultura angolana. Quando a autora utiliza expressões regionais no texto, elas são explicadas em notas no rodapé página, enriquecendo ainda mais o livro. Ainda sobre a diagramação/revisão, encontrei alguns errinhos de português e de pontuação, mas nada muito grave. 

Por fim, confesso que o final conseguiu me surpreender. A autora conseguiu amarrar tudo direitinho e teve uma ótima sacada, não desconfiei em momento nenhum. Engano é um livro que mistura romance (hot!), intrigas e mistério de uma forma não tão óbvia, com o diferencial da cultura angolana. 
“Sempre tentando agradar os outros, sempre com um sorriso forçado... para que alguém a ame e a ache especial. Nem todas as pessoas sabem que o verdadeiro amor vem de dentro.” Página 312
*Esse livro foi cedido para resenha pela Editora Novo Século. 

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Draw my life: Harry Potter


Não sei vocês, mas eu adoro assistir o Draw my Life das pessoas que acompanho. É um jeito super fofo de conhecer um pouquinho mais sobre aquela pessoa e os desenhos geralmente ficam uma graça. Agora imagine um Draw my Life do seu personagem favorito. Imaginou? Acrescenta a narração em formato de musical. Tem como ser mais lindo, gente?

O vídeo foi produzido pelo canal AVbyte, que é todo voltado para musicais. Eles fazem vídeos de vários temas e são super bem produzidos. Fiquei encantada, sério. Sem contar que eles também postam os vídeos do making off. Vale muito a pena conferir!


Eles sempre disponibilizam a letra no final dos vídeos, então vou colocar um pedacinho aqui. Para conferir a letra completa é só ir na descrição do vídeo.

Well it all started out pretty bad
as a baby, i lost mom and dad
see the dark lord called Voldemort wanted me dead
or i'd grow up to kill him instead

so he came to our hideout one night
and my parents put up quite the fight
but it all was in vain, both my parents were slain

then he came up to me, just a baby alone
and he didn't for see, well he couldn't have known
that his magic would fail, and destroy him instead
while the baby'd prevail, with this scar on his head

I'm the boy who lived
I'm the boy who lived
and oh what a life it's been

Alguém ai já conhecia o vídeo e o canal? Me conta nos comentários!

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Ligações


GEORGIE MCCOOL sabe que seu casamento está estagnado. Tem sido assim por um bom tempo. Ela ainda ama seu marido, Neal, e ele também a ama, profundamente – mas o relacionamento entre eles parece estar em segundo plano a essa altura.
Talvez sempre esteve em segundo plano.
Dois dias antes da tão planejada viagem para passar o Natal com a família do marido em Omaha, Georgie diz a ele que não poderá ir, por conta de uma proposta de trabalho irrecusável. Ela sabia que ele ficaria chateado – Neal está sempre um pouco chateado com Georgie –, mas não a ponto de fazer as malas e viajar sozinho com as crianças.
Então, quando Neal e as filhas partem para o aeroporto, ela começa a se perguntar se finalmente conseguiu. Se finalmente arruinou tudo.
Mas Georgie estava prestes a descobrir algo inacreditável: uma maneira de se comunicar com Neal no passado. Não se trata de uma viagem no tempo, não exatamente, mas ela sente como se isso fosse uma oportunidade única para consertar o seu casamento – antes mesmo de acontecer…
Será que é isso mesmo o que ela deve fazer?
Ou ambos estariam melhor se o seu casamento jamais tivesse acontecido?
Eu sou suspeita para falar, porque amo a escrita da Rainbow. Tenho dó de começar a ler os livros dela, porque sei que vou devorar. E não foi diferente com Ligações. Livro fofo, com personagens cativantes e uma história delícia.

Georgie está a um passo de conseguir realizar o maior sonho de sua carreira: ter uma série de TV produzida por ela. O único problema é que, para que isso aconteça, ela precisa trabalhar na semana do natal. Todos os dias. Dentro do escritório. Bem longe de onde Omaha, onde ela planejou passar o natal com o marido Neal e com as filhas. 

Quando Neal concorda que essa é uma chance única, Georgie acredita que vai ficar tudo bem, que o casamento deles ainda está a salvo. Mas, quando Neal anuncia que não vai adiar sua viagem e que ele e as meninas vão para Omaha sem ela, Georgie já não sabe se seu casamento vai conseguir superar mais essa crise.

Sozinha, Georgie divide seu tempo entre tentar trabalhar (o foco foi para Omaha junto com a família) e relembrar a sua história com Neal, para tentar descobrir quando foi que eles começaram a errar. Com medo de voltar para uma casa vazia, Georgie resolve passar uns dias na casa da mãe, em seu antigo quarto. E já que seu iphone está sempre sem bateria (sim, ela vive esquecendo que precisa comprar um novo), Georgie tenta ligar para Neal de seu antigo telefone (amarelo, daqueles que você precisa virar os números para discar ♥) e percebe que pode ter encontrado um jeito de concertar seu casamento. Agora ela precisa decidir se vale a pena salvar o seu presente ou se é melhor dar um novo futuro ao marido. 
“Tinha que ligar. Não dá pra simplesmente ignorar um telefone que faz ligações para o passado. Não tem como saber que ele está logo ali ao lado e não usá-lo.” Página 155
Quem se apaixonou por FanGirl, sofreu com Eleanor & Park e se encantou com Anexos, provavelmente vai com tudo pra cima de Ligações. Então, preciso alertar que não é esse tipo de história. Ligações segue uma linha mais leve, com personagens tão incríveis como todos os outros que a autora criou, mas com uma história um pouco menos marcante. 

E quando digo que os personagens são incríveis, eu incluo todos mesmo. Georgie trabalha com humor e ela é realmente engraçada, do tipo que sempre te faz rir nas piores situações. Neal é um paizão, tem dons artísticos maravilhosos, mas acabou saindo do emprego para cuidar das filhas. As meninas (Alice e Noomi) são duas fofas. E ainda tem o Seth, a mãe da Georgie e a Heatler. Todos com defeitos e qualidades reais. 

Um ponto que eu gosto muito nos livros da Rainbow é que te dão a sensação de conforto. A escrita dela é muito característica, então nas primeiras linhas você já percebe que está lendo uma história dela, e das boas. E como a editora mantém o mesmo estilo de diagramação em todos os livros dela, essa sensação só aumenta. 

Ligações aborda relacionamentos e reflexões. Quando o mistério das ligações começa, Georgie passa a ver seu casamento por outro ângulo. Ela passa por um período de egoísmo, seguido por uma fase totalmente altruísta, para enfim perceber que ninguém é perfeito e que isso fica ainda mais claro em uma relação como o casamento. Para dar certo, é preciso que ambas as partes sejam compreensivas e façam valer a pena. Não é uma mania ou uma cara feia que vai colocar tudo a perder. 

Apesar de não ter sido uma leitura que me deixou pensando na história por dias e dias, Ligações é um ótimo livro. Consegue prender, divertir e encantar. Sem contar que se passa no natal, então traz todo o clima junto com a leitura. Rainbow, sua linda, eu sou sua fã, tá? Só para constar! Recomendo! ♥

“Não dá para saber como é de fato entrar na vida de alguém e ficar lá. Não há como antever todas as maneiras com as quais você vai se entrelaçar, como vai conectar pele com pele. Como a ideia de ficar longe vai soar dali a cinco anos, dez... quinze. Quando Georgie pensava em divórcio agora, imaginava-se deitada ao lado de Neal em duas mesas de cirurgia enquanto uma equipe de médicos tentava desenlaçar seus sistemas vasculares.
Ela não sabia ao 23 anos.” Página 204
*Esse livro foi cedido para resenha pela Editora Novo Século. 

domingo, 7 de junho de 2015

Tag: Viciada em Filmes

Heey pessoal! Hoje vim responder a tag Viciada em Filmes! Quem me indicou foi a Nanda, do blog Trocando o Disco e eu adorei responder! Confesso que foi um pouco difícil escolher os filmes, porque queria colocar váaarios, mas enfim, me contive! Bora conferir?

1. Qual foi o último filme que você assistiu?
Sex and the city. Na verdade eu queria assistir a série, mas como não tinha no netflix, resolvi assistir primeiro o filme. E adoreeei! Carrie e as meninas são super divertidas, impossível não rir. O filme é leve, engraçado e tem muuuita roupa linda! 









2. Um filme que você quer muito assistir?
Her. Desde que lançou eu quero muito assistir, mas NUNCA deu certo. Alguém ai já assistiu?











3. Um filme para chorar:
Um amor para recordar. Esse filme é tão, tão lindo que eu nem sei por onde começar a falar. É lindo, é triste, é puro, é muito amor. Já dá vontade de chorar só de lembrar.











4. Um filme para rir:
Gente, que difícil. São tantos tipos de humor diferentes, que é difícil escolher. Vou citar O caçador de recompensa porque eu adoooro a Jen e o Gerard e SEMPRE que o filme está passando na TV eu paro para assistir. 










5. Um filme de suspense:
Garota exemplar. Não tem como não indicar o meu queridinho do momento. Livro incrível e filme muito bem produzido. Daqueles que você precisa assistir.











6. Um filme pra assistir com a família:
O auto da compadecida. Eu precisava indicar um nacional, né? E esse filme me lembra a infância e eu já assisti com a família várias e várias vezes. Matheus Nachtergaele é incrível.

7. Um filme de romance:
Um dia. Precisa explicar?













9. Um filme lindo:
Wall-E. Sim, eu amo desenho animado e acho esse filme LINDO. É encantador, é fofo, é divertido, é triste. É uma obra prima!











11. Um filme para morrer de medo:
A chave mestra. Antigamente até topava assistir qualquer filme de terror, mas, com o passar do tempo, fui ficando cada vez mais medrosa. E lembro que quando assisti A chave Mestra eu MORRI de medo. É muita coisa do mal para um filme só! Fiquei uns dias sem dormir direito e depois disso parei de vez de assistir filmes que são muito de terror, sabe? Eu sei que existem outros mais arrepiantes, mas esse foi o que me marcou. 







12. Um filme de ação favorito:
Exterminador do Futuro. Lembro de ter assistido com meu pai quando era criança e depois nunca mais liguei para o filme. Quando comecei a namorar, descobri que meu namorado é viciado em todos os filmes do Exterminador e acabei assistindo mais algumas vezes e pegando um carinho especial pelo filme. Tem ação, tem ficção científica, tem robô com frase de efeito. Vale a pena!







13. Um filme que não vale a pena ver: 
Eu tinha escolhido Tratamento de choque, que achei beeem fraquinho quando vi. Mas ai percebi que a maioria dos filmes que escolhi são mais antigos, então vou colocar O Destino de Júpiter. O começo do filme é interessante, mas depois de um tempo você fica perdido. É muuita informação, muita coisa sem noção acontecendo ao mesmo tempo, sabe? Acho que os produtores se perderam um pouquinho. 







14. Um filme para ver no feriado:
Saga Harry Potter completa. Porque feriado é dia de preguiça e nada mais gostoso do que rever todos os filmes do Harry em ordem. Rever Hogwarts, estudar magia, visitar Hogsmeade e derrotar o tio Voldie. Existe coisa melhor? 









13. Desenho Animado:
Enrolados. Já assisti mil vezes, sei todas as falas e sou apaixonada pelo cabelo da Rapunzel. Melhor filme da vida! 












14. Um filme que todo mundo deveria assistir:
O fabuloso destino de Amélie Poulan. Esse filme é lindo e nos faz despertar para a vida. Depois de assistir, você passa a ver as coisas com um olhar diferente. É um filme que todo mundo realmente deveria assistir.










15. Um filme que você tenha visto 3 vezes ou mais:
Prenda-me se for capaz. Eu adoro esse filme. Acho a história genial e o fato de ser baseado em uma história real só deixa tudo mais interessante. Recomendo super!










15. Um filme para meninas que também deveria ser visto por meninos:
10 coisas que eu odeio em você. Não sei se esse filme é só para meninas, mas acho que agrada qualquer público, tanto masculino como feminino.











Se você gostou da tag, responda no seu blog também e depois me manda o link, vou adorar conferir! :D

E vocês, já assistiram alguns desses filmes? Gostaram das minhas escolhas?