INÍCIO SOBRE PARCEIROS RESENHAS ENTREVISTAS CONTATO

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Cinquenta Tons de Cinza


Quando a estudante de literatura Anastasia Steele entrevista o jovem bilionário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que o deseja e que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Christian admite que também a deseja — mas em seus próprios termos.
Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso — os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família —, ele é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Ao embarcar num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só
descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta
manter escondidos. 
Sabe quando você cria expectativas gigantescas para ler um livro e no final a leitura te decepciona? Pois bem, com Cinquenta Tons de Cinza aconteceu exatamente o contrário. Eu li tanto comentário negativo, vi tanta gente que abandonou nos primeiros capítulos, que tinha certeza que iria odiar a leitura. Mas, como o filme estava para ser lançado, resolvi dar uma chance ao livro. E posso falar? Me surpreendeu. 

Eu sei que você provavelmente já sabe o que se passa na história, mas vou falar um pouquinho mesmo assim. Para fazer um favor a amiga, Ana Steele acaba indo entrevistar o bilionário Christian Grey, sem saber absolutamente nada sobre ele. Tudo que ela tem são as perguntas que a amiga formulou. Imagine a surpresa quando ela dá de cara com homem lindo e intimidador, pouco mais velho do que ela. Ana sai da entrevista transtornada, odiando aquele cara, seus incríveis olhos e sua autoconfiança absurda.  

Já Christian se vê encantado com a garota tímida que foi entrevistá-lo. Ele percebe o quanto isso pode ser usado a seu favor. E a partir desse primeiro contato, a vida dos dois toma rumos inesperados. Ana passa a experimentar sensações e desejos que ela nunca havia sentido e Christian deixa algumas coisas fugirem do seu controle. O resultado é um sensual jogo de conquistas e descobertas.
"Seu olhar é intenso, meio na sombra e meio na claridade da iluminação para pouso. O cavaleiro das trevas e o herói, essa é uma metáfora adequada para Christian." Página 85
O livro é narrado pela Ana e isso incomodou muuuita gente. Eu particularmente adoro livros narrados em primeira pessoa, mas realmente a Ana é uma chata. Mesmo quando é óbvio que ela despertou alguma coisa no Grey, ela só faz negar. Sem contar que fica o tempo todo brigando com o seu próprio inconsciente. Confesso que achei divertido no início, mas depois de um tempo você precisa aceitar suas decisões, não é? Parece que ela quer preservar, nem que seja só no inconsciente, a imagem de boa moça. Os milhares de palavrões e a deusa interior (que também me conquistou em algumas partes e me irritou em outras) contribuem para antipatia geral pela personagem. Por outro lado, não posso negar que dá para entender o porque ela se transforma em um poço de dúvidas. Não é todo dia que você conhece um bilionário incrível, descobre que ele tem preferências sexuais bem peculiares e se apaixona por ele. 

E só para constar, é ele quem consegue cativar o leitor e transformar Cinquenta tons em uma história de amor interessante.  E não, não é porque ele é um ótimo amante. Christian tem um passado sombrio, evidentes problemas psicológicos e um forte bloqueio em relação ao amor. E é justamente isso que impulsiona a leitura. A estranha relação dele com a Ana conseguiu abrir uma pequena porta para o passado e para todos esses problemas. Cada detalhezinho que ele revela, deixa o leitor ainda mais curioso para descobrir o que de fato aconteceu. 

“Ah, mas ele é horrível e bate em mulher”. A história não é bem assim. Durante todo o livro, tudo que ele fez com a Ana foi consensual e o tempo inteiro ele estava preocupado com ela, sabe? Ele se importa. Não é esse monstro que estão pintando por ai. 

Cinquenta tons de cinza é um bom romance erótico? Sinceramente, é o segundo erótico que leio e não tenho parâmetro para comparar. Não entendo essa necessidade que as pessoas têm em rotular as coisas. Posso dizer que é um bom livro. Tem uma história interessante, que consegue prender o leitor e fazer com que ele torça por um personagem. Não é uma história perfeita, mas também não é péssima. Se você gosta de histórias de amor, cenas intensas e de uma leitura que prende o leitor, leia. Sem dar ouvidos para todos os julgamentos. Apenas leia e tire suas próprias conclusões
"Nunca me encaixei em lugar algum e agora... Tenho uma proposta indecente do Rei dos Desajustados para considerar. Por que ele é assim? Natureza ou criação?" Página 117
*Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca.

*Ainda dá tempo de participar da promoção de aniversário do blog e concorrer a Cinquenta Tons de Cinza. Participe aqui.

9 comentários:

  1. Não acredito que demorasse tanto para ler esse livro! Sério, hehe. Eu fiquei curiosa e comecei a ler a trilogia logo quando estorou os livros e todo mundo só comentava sobre eles.
    Confesso que achei a escrita da autora meio fraca, muito simples, e se o Christian fosse o narrador da história... Bem, poderia ser um pouco melhor né? Pretendes ler os outros? É interessante para conhecer mais a fundo os problemas do Christian e entender um pouco melhor ele.
    Beijos,
    alanahomrich.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demorei! hahah Tinha certeza que não ia gostar, ai peguei birra na época, de tanta gente falando e tal. Agora tá essa animação geral devido a filme, então resolvi que era hora de ler! haha
      Siiiim, se o Christian fosse narrador acho que seria ainda melhor. Fiquei curiosa para ler os próximos sim, quero saber da onde vem todo esse trauma psicológico dele. Você leu os três??

      Beijo!

      Excluir
  2. Este livro é bem complexo para mim, eu o li como uma história de amor e portanto curti bastante, li tudo bem rapidinho!
    O sexo para mim foi explorado como a libertação do prazer que rompe com preconceitos!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Thaila! Concordo com você. Também tive essa impressão do livro, tanto na parte de história de amor, como na parte de sexo como libertação e quebra de julgamentos!

      Excluir
  3. Olha, vou confessar, não tinha vontade de ler esse livro, mas com todo esse burburinho to ficando até curiosa. Sua resenha foi ótima, quem sabe eu dê uma chance a ele.
    beijos.
    http://lugaaraosol.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Amanda!
      Também demorei a ter vontade! Se você resolver ler, me conta o que achou, tá?

      Beijo!

      Excluir
  4. Ahhhh amiga que bom que curtiu!! Confesso que esse foi o livro que eu mais gostei na série, isso porque eu não achava a Ana chata nem nada disso que vc citou, e até adorava a Deusa Interior dela, mas no segundo e no ultimo livro eu me irritei pra valer com ela...shauhsauhsau. O filme é cheio de humor, acredito que vc vai curtir ;)

    xoxo
    http://www.amigadaleitora.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Thais!
      Sério que ela piora?? :O
      Achei que ela ia ficar melhor com o passar dos livros! haha
      Quero assistir!

      Beijo!

      Excluir
  5. Não li o livro, nem vi o filme. E acho que continuarei assim, toda essa polêmica em torno da obra já deu o que tinha que dar na minha opinião.

    Um beijo Gabriela! :*

    ResponderExcluir